O racismo é par do fascismo.
Facebook e Google podem vir facilmente a se voltar também contra a livre expressão da própria esquerda e de movimentos populares nas redes.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
(FILES) In this file photo taken on May 20, 2017 French controversial humorist Dieudonne M’bala M’bala looks on during a press conference presenting his candidacy in Essonne in the upcoming French legislative elections at the Theatre de la Main d'Or in Paris. - French polemicist Dieudonne M'Bala M'Bala is permanently banned from Facebook and Instagram for
Facebook e Instagram proíbem publicações do humorista francês Dieudonné. | Foto: JACQUES DEMARTHON / AFP. IPTC Photo Metadata.

O humorista francês Dieudonné M’Bala M’Bala teve a proibição definitiva de suas publicações dentro da plataforma do Facebook e Instagram. Isso aconteceu devido a repetidas denuncias pelo viés de suas publicações consideradas de teor antissemita. Dieudonné M’Bala M’Bala estaria zombando das vítimas do Holocausto judeu através de suas piadas.

Anteriormente, também a Google já havia impedido a continuidade do seu canal no YouTube, no final de junho, devido ao que foi considerado “uma violação repetida do regulamento da comunidade do YouTube”.
A Liga Internacional Contra o Racismo e o Antissemitismo considerou a decisão “uma grande vitória e o desfecho de um longo e rigoroso trabalho de sua equipe de advogados que, finalmente; deu resultados!”

O racismo vem ao encontro do fascismo e como tal deve ser combatido sempre e em todas as frentes. E o trabalho da Liga Internacional Contra o Racismo e o Antissemitismo certamente é justo e empenhado. O que precisa nos manter muitíssimo atentos, no caso em questão; é a atitude de “comemorar” uma decisão que saiu das mãos de Mark Zuckerberg.

O mesmo Mark Zuckerberg que é dono FORMALMENTE (de fachada) de uma empresa que representa os interesses da Central Inteligence Agence- CIA, sob o governo ditatorial imperialista dos Estados Unidos. Comemorar é, no mínimo, bastante ingênuo, para não dizer; imprudente.

Monopólios desse porte, com pleno poder de censura; podem vir facilmente a se voltar também contra a livre expressão da própria esquerda e de movimentos populares nas redes.

Se fizermos uma avaliação correta, os verdadeiros vitoriosos no processo todo foram Facebook e Google.
Essas duas corporações, com a naturalização desse tipo de intervenção nas decisões e nas vidas das pessoas, adquirem mais força e legitimidade para censurar a quem lhes aprouver. E, obviamente, que, se essas empresas podem censurar todo mundo, em certo ponto; vão censurar justamente os movimentos de luta do negro que quiserem lutar verdadeiramente contra o racismo.

Esse é o ponto que não deve sair de foco. É um caminho que está sendo traçado e que pode gerar sérios problemas para a livre expressão num futuro muito próximo. Porque, para finalidade prática, a censura a esse sujeito antissemita Dieudonné M’Bala M’Bala não faz magicamente com que o racismo desapareça na prática.

Não expõe os bastidores de um sistema poderoso que se assenta sobre a desigualdade, que é o do capitalismo. E nem expões as vísceras de empresas monopolistas por trás de articulações golpistas na derrubada de governos e no roubo de recursos, através da promoção de guerras e da criação de falsos inimigos mundo a fora.

Não se deve entregar a tarefa da luta contra os fascistas e contra o racismo a corporações capitalistas, inimigas da classe operária. A luta contra o racismo, em primeiro lugar, deve partir do povo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas