A farsa da democracia
O regime político norte americano, como em quase todo o planeta, é inimigo da população e não se furtará  a reprimir e impedir seu direito de manifestação.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
spray
Polícia da Geórgia dispersa eleitores em local de votação | Foto: Reprodução

A tensão entre o povo negro dos Estados Unidos não para de crescer. Neste sábado um grupo de eleitores organizaram uma marcha protesto e direção a um local de votação da eleição presidencial . A marcha se autointitulava “Eu Sou a Mudança”.

Os manifestantes vestiam suéteres pretos com a imagem falecido congressista da Geórgia e ícone dos direitos civis John Lewis. Ativista que travou uma batalha ao longo da vida contra a discriminação racial e a injustiça, sendo espancado pela polícia e preso repetidamente durante protestos contra genocídios e leis sobre a imigração.

Enquanto se dirigiam ao local de votação entoavam  palavras de ordem como “A vida dos negros é importante” e prometiam “poder para o povo”. Em um momento da marcha ,à sombra de um monumento a um soldado confederado , fizeram uma homenagem à George Floyd ,  assassinado recentemente por um policial que esmagou seu pescoço ao chão até a morte, enquanto este implorava por sua vida.

Os manifestantes pretendiam concluir seu ato de protesto no local da votação presidencial, porém foram recebidos com equipamentos antimotim e dispersados com gás de pimenta pela polícia . Dentre os manifestantes estavam crianças, idosos e mulheres que também foram vítimas da repressão policial.

Muitas pessoas foram presas durante a marcha  que tinha autorização legal para a realização o que demonstra a farsa da democracia naquele país.

“Eu sou a mudança”, “ Poder para o povo” são palavras de ordem  que em conjunto com o final da marcha programado para o local de votação, evidencia a extrema polarização da população norte americana diante a opressão contínua de seus direitos. Ao longo de décadas o povo negro e pobre é assassinado e violado em seus  direitos fundamentais no país da  “democracia e da liberdade”.

Ainda paira no ar a revolta que motivou as grandes mobilizações de protesto pelo assassinato de George Floyd e que provocaram reações mais violentas ainda pelo aparelho repressor da burguesia norte americana.

A efervescência e polarização  decorre do tratamento desumano ao qual o povo é submetido pelo regime capitalista , a extrema desigualdade social e o conflito de classes que a cada dia fica mais evidente no país.

“Eu sou a mudança” e “Poder para o povo” mostra o grau de consciência da população negra de seu poder e condição de oprimida assim como a sua crescente organização para enfrentar o inimigo: o estado opressor.

O regime político norte-americano, como em quase todo o planeta, é o representante da burguesia e inimigo da população e não se furtará  a reprimir mais ainda o povo, impedindo seu direito de se manifestar e de participar da farsesca eleição presidencial onde a esquerda em vez de representar e organizar os oprimidos do país vende ilusões de que o candidato democrata, também representante da burguesia, é a arma contra a política fascista de Trump.

Todo apoio ao povo norte-americano e que sua coragem sirva de exemplo para todos nós.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas