Negros precisam se armar para não serem mortos

lkjoi

A esquerda que lá no início do período eleitoral se colocou como a “barreira contra o fascismo”, hoje cai no terreno das defesas inócuas contra esse fenômeno político que avança. Levanta-se a palavra de ordem de “mais livros e menos armas” mas não se apresenta nenhuma saída efetiva contra a opressão que o povo sofre.

Um dos pontos que se tem colocado no último período com relação a questão do armamento, é a de que com uma maior flexibilidade desse processo, o número de mortes da população negra e de mulheres aumentaria de maneira exorbitante.

É muito lógica essa análise quando se vê do ponto de vista que somente a burguesia estaria ainda mais armada e a população propriamente dita estaria a subjugo dessa repressão uma vez que não estariam em pé de igualdade. Esse é o viés que a esquerda pequeno-burguesa coloca, pois uma vez que não defende que um povo se defenda está colocando que os mesmos devem estar a mercê da repressão estatal.

Os negros assim como as mulheres, devem ter como pauta em seus movimentos de luta o direito a autodefesa, e isso passa pelo armamento, uma vez que se caracterizam como o setor mais massacrado pelo status quo. O povo negro é o que mais morre no país, não precisa se comprovar por meio de estatísticas, basta observar a seletividade da polícia assassina. Portanto, o armamento dessa população é uma questão de sobrevivência, se armar para não ser morto.