Poder ameaçado
Os eventos do último sábado ocorreram perto da residência oficial do primeiro-ministro na Jerusalém ocupada
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
20200719_2_43511861_56811292
Forças de segurança israelenses usam canhões de água para dispersar protestos contra o governo | Foto: Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu

Os israelenses estão mostrando que é possível sair para protestar contra o regime de extrema-direita de Benjamin Netanyahu mesmo em meio a uma pandemia. Os eventos do último sábado ocorreram perto da residência oficial do primeiro-ministro na Jerusalém ocupada.

Durante os protestos, pelo menos 11 pessoas foram detidas e várias ficaram feridas devido aos violentos confrontos entre a polícia israelense e os manifestantes que exigiam a renúncia do primeiro-ministro.

Segundo a mídia local, as forças policiais esguicharam água e spray de pimenta para dispersar os manifestantes que eram contra o governo. Na cidade de Ramat Gan, um condutor utilizou o carro para atropelar vários manifestantes e os demais ocupantes do veículo dispararam spray de pimenta.

O departamento de polícia local disse que abriu uma investigação sobre o ocorrido. Já o ministro da Segurança de Israel, Benny Gantz, disse no Twitter que “o direito de se manifestar é sagrado. Quem levanta a mão contra manifestantes e ameaça com a violência deve ser severamente punido”.

O governo de Benjamin Netanyahu saiu fragilizado após as eleições parlamentares realizadas recentemente.  As terceiras em um curto período de tempo, porque o regime do primeiro-ministro já se encontrava em um impasse político. Netanyahu obteve a vitória com 26,27%, enquanto em segundo lugar ficou o general Benny Gantz, ex-ministro da Defesa, que conquistou 25,95%.

A administração governamental atual é uma coalizão com burguesia, um improviso que permitirá à Netanyahu ficar mais algum tempo no poder.  Pelo acordo, Benjamin Netanyahu segue no cargo de primeiro-ministro até outubro de 2021, quando Benny Gantz e seu partido devem assumir a função e ficarão até o fim do mandato.

No entanto não é definitivo se Gantz o substituirá no cargo ao fim de 18 meses, como foi inicialmente acordado pelos dois partidos. Por enquanto, Netanyahu mantem-se como primeiro-ministro, o que lhe dará o poder de nomear o próximo procurador-geral do país. Gantz é o vice-primeiro-ministro, cargo que acumula novamente com a pasta da Defesa.

Ou seja, é um regime que está muito fragilizado e que conta com ameaças internas constantes, paralelas à insatisfação popular em crescente e a crise desnecessária ocasionada pelo megalomaníaco projeto de anexação da Cisjordânia em um claro atentado à soberania do estado da Palestina.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas