Não tem mais empregos depois do golpe: bancos e Furnas lançam PDVs

O PDV (Plano de Demissão Voluntária) é um mecanismo para reduzir a quantidade de funcionários de uma empresa. Esses planos oferecem um incentivo para funcionários se demitirem da empresa. O Itaú, a Caixa e o Banco do Brasil já colocaram esse plano à disposição dos funcionários. O Itaú afirmou estar adequando o quadro de funcionários devido o processo de digitalização da empresa. Para poder participar do PDV é necessário ter mais de 55 anos ou “algum tipo de estabilidade”. As áreas onde haverá cortes não foram especificadas e espera-se dispensar 6.900 funcionários.

O Banco do Brasil também alega que o plano de demissões se deve à digitalização de processos. Também elaboraram um PAQ (Programa de Adequação de Quadro), que permitirá a alguns setores realocarem funcionários para outras unidades. O BB pagará uma indenização de até 9,8 salários e pagará o plano de saúde dos funcionários por um ano.

Na Caixa, o PDV é previsto para 3.500 funcionários. Quem aderir ao programa, receberá indenização de 9,7 remunerações-base, com limite de R$ 480 mil.

Furnas também terá uma redução no quadro de funcionários. Com quatro mil funcionários, no momento, o plano é reduzir o quadro para 2.751, segundo o SEST (Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais).

A política desse governo golpista é a de garantir os interesses dos donos do dinheiro e não os interesses do trabalhador. Nenhuma das políticas que esse governo visa fará crescer o número de empregos; nem a reforma da Previdência (que só interessa aos bancos) e nem a política de “livre mercado” (menor interferência do estado na economia). Esses são apenas mecanismos que aumentam a desigualdade e atendem aos interesses do grande capital.