Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ciro-gomes-foto-viviane-petroli-agro-olhar
|

Na sabatina realizada pelo UOL, Folha de S. Paulo e SBT, órgãos da imprensa burguesa que apóiam incondicionalmente o golpe, o candidato que setores da esquerda querem de alternativa a Lula, Ciro Gomes, tratou de afagar e se colocar ao lados dos latifundiários.

O candidato, mais uma vez, atacou a população e a luta pela terra afirmando que “agronegócio está carregando o Brasil nas costas”. A colocação é a principal frase apresentada pelos representantes do agronegócio para afirmar que fazem o papel importante no desenvolvimento do país, evitando assim de receber críticas pelas atrocidades que cometem.

Em primeiro lugar, a afirmação é totalmente falsa. O agronegócio é um dos maiores impedimentos no desenvolvimento do Brasil e responsável pelo que há de mais atrasado, nos remetendo ao período colonial.

Apesar da campanha da Globo, do “Agro é Tech, agro é pop, o agro é tudo”, com ar de modernidade e industrialização, o agronegócio se apóia no atraso do campo e nos resquícios do Brasil colônia, como o latifúndio, no coronelismo e no trabalho escravo.

Na verdade o agronegócio, que Ciro Gomes tanto defende,  impõe o atraso a população rural e a estagnação econômica das regiões em que se consolida, como podemos ver nas usinas de cana-de-açúcar, nos grandes empresas florestais, plantios de soja e algodão, laranjais e muitos outras culturas e criações.

Essas atividades estão intimamente ligadas à grilagem de terras e expulsão de posseiros e comunidades indígenas e quilombolas, como nas empresas florestais que atuam no Extremo Sul da Bahia, as criações de gado no Mato Grosso do Sul, a soja e algodão no Mato Grosso, canaviais por todo país, laranjais em São Paulo que geram poucos empregos para a população local e não levam desenvolvimento, apenas muito lucro para os latifundiários e empresas do agronegócio. A industrialização gerada é incipiente e pontual.

Baseiam-se na precariedade das regiões rurais para não cumprir legislação trabalhista, contaminações de trabalhadores com agrotóxicos e, na maioria das vezes, se utilizam de trabalho escravo. O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) possui uma lista das empresas autuados por submeter trabalhadores ao trabalho escravo. Dessa lista, 64% das empresas autuadas são do agronegócio, sendo agricultura (31%), pecuária (25%) e o setor madeireiro (8%). Mas esse número está sub-notificado visto a falta de recursos para a atuação dos fiscais do MTE.

Em geral o agronegócio estagna a região, gerando subempregos e é um mero fornecedor de matérias-primas e para os países imperialistas, com uma economia baseada no período colonial, que apenas beneficia os países imperialistas e meia dúzia de latifundiários. Mas o candidato da esquerda golpista propositalmente esconde e dissimula.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas