“Não há plano B a Lula, é preciso derrotar o golpe”, diz Dilma em ato das mulheres em Porto Alegre

O ato em Porto Alegre no dia 23 foi cheio de atividades. O dia começou com um ato público das mulheres em defesa de Lula na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul.

A direita, em um ato de provocação, mandou cortar a luz do prédio, o que obrigou as mulheres a continuar o ato do lado de fora. Com isso, a praça foi tomada por mais de 5 mil pessoas, que começaram a chegar ao local para prestar solidariedade às mulheres por conta da provocação da direita.

"Não há plano B a Lula, é preciso derrotar o golpe, diz Dilma em ato das mulheres em Porto Alegre

Mulheres ativistas de vários movimentos e organizações falaram no ato. A companheira Natália Pimenta, da direção nacional do PCO e do coletivo de mulheres Rosa Luxemburgo, ressaltou a necessidade de se lutar contra a condenação de Lula e de como isso está relacionado com a luta contra o golpe e pela anulação do impeachment.

O encerramento do ato ficou com a presidenta Dilma Rousseff, que afirmou que não deve haver “plano B” para Lula, pois isso seria uma capitulação diante dos golpistas. Segundo Dilma, é preciso derrotar o golpe, que é a fonte de tudo o que estão fazendo agora.

Após o ato, os presentes saíram em passeata pelas ruas de Porto Alegre até a tradicional Esquina Democrática, onde foi realizado o ato principal do dia, com a presença do ex-presidente Lula.