Movimento Operário
Os sindicatos se mantiveram fechados durante a pandemia, aderindo à frente ampla com os governadores que nada fizeram para frear a doença. É preciso reabrir já e lutar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
cut
Bandeira da CUT | Foto: reprodução

O Brasil passou oficialmente o número de 65 mil mortos sem que não houvesse nenhum tipo de bloqueio para barrar a expansão do coronavírus no país por parte do governo federal e dos governos estaduais. Quando a burguesia necessitava fingir que combatia de alguma forma o vírus, utilizou da palavra de ordem “#fiqueemcasa” jogando a culpa da expansão do vírus para a população e não tendo que tomar medidas que a obrigassem a colocar a mão no bolso, a não ser um isolamento social que não chegou até a classe trabalhadora e, quando chegou, fez os membros da classe ficarem sem dinheiro. Após esse período, a burguesia sentindo a necessidade de reabrir totalmente a economia, abandonou a palavra de ordem que estava utilizando e deixou a população do país à própria sorte.

O que chama a atenção é que os sindicatos, organizações da classe trabalhadora feitas para proteger os trabalhadores, também aderiram à palavra de ordem da burguesia e desde o começo da pandemia deixaram a população na mão.

A burocracia sindical, que em grande medida possui mais condições financeiras que toda a classe operária e trabalhadora, pôde fazer a sua quarentena no conforto de sua casa, lendo, assistindo televisão e tirando férias fora de época, enquanto a maioria dos trabalhadores morria pegando o vírus nos trens, ônibus, nas fábricas, nos correios e etc. Em grande medida, essa política foi de adesão à frente ampla, com Doria, Witzel e outros governadores, o que só levou o país à catástrofe.

Porém, não foi só a pandemia que prejudicou a população. O período que foi aberto com as declarações de que seriam feitos os isolamentos sociais, praticamente se encerrou oficialmente no dia de ontem com o fim da isolamento na cidade de São Paulo, cidade mais rica e que concentra a maior parcela da classe operária do Brasil. Durante esse período, os trabalhadores viram o governo federal permitir a suspensão de contratos de trabalho, milhões foram mandados embora, um auxílio batizado extra-oficialmente de “auxílio esmola” mal chegou até a população e a privatização da água foi aprovada. Os fascistas levantaram a cabeça e começaram a ir para as ruas e, se não fosse o movimento das torcidas organizadas que os colocaram para correr, poderiam ter tomado as ruas.

Em todo esse período os sindicatos permaneceram fechados.

Agora, com a reabertura total da economia, não há mais desculpas para permanecerem de portas fechadas.  É preciso lutar por uma jornada de trabalho de 35 horas para reverter as demissões. É preciso lutar para que medidas reais, como o aumento dos veículos no transporte público e o fechamento dos setores não essenciais com total pagamento para os tralhadores, se realize até o fim da pandemia. É preciso proibir demissões até o fim da crise. É preciso barrar a privatização da água. Porém, acima de tudo, os sindicatos têm de reabrir e organizar os trabalhadores para enfrentar o governo genocida responsável por milhares de mortes que ultrapassam em algumas dezenas o que é apresentado oficialmente. É preciso organizar os trabalhadores pelo Fora Bolsonaro!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas