eleições 2020
A Esquerda abandona a mobilização de rua pelo Fora Bolsonaro por conta da campanha eleitoral
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
photo5129891990857689327-868x644 (1)
Brasília | arquivo

O fascínio da esquerda por campanhas eleitorais tem levado os partidos que se reivindicam das lutas dos movimentos populares, do movimento sindical, a optarem por abandonar o método tradicional de mobilização nas ruas.

A tônica é jogar todas as fichas na “disputa eleitoral”, apresentando o circo eleitoral como o espaço preferencial para a atuação da esquerda. Sendo que com o golpe de Estado de 2016, o regime político está se fechando, a participação popular nas eleições é cada vez diminuta.

Além disso, a busca ensandecida por eleger seus candidatos em eleições manipuladas pela direita pela esquerda revela uma profunda ilusão com o sistema eleitoral do regime político.

No artigo publicado no sítio Brasil 247 “Ainda não é, infelizmente, a hora das ruas”, assinado por Hélio Doyle é explicitamente defendido o abandono das ruas para a defesa de que não só não é possível impulsionar eventos de ruas, como seria preferível no atual contexto privilegiar a “mobilização eleitoral”, devido inclusive às restrições por conta da Covid-19

“Não é a hora para isso, porém. Ainda estamos enfrentando a pandemia e é necessário manter o distanciamento social e não incentivar aglomerações de qualquer tipo. Ao convocar manifestações de massa, estamos nos igualando aos bolsonaristas, que negam os riscos da covid-19, rejeitam as normas sanitárias e desprezam a saúde e a vida da população.”

Neste caso, o pretexto de “não se igualar ao bolsonarismo” é o álibi perfeito para não sair às ruas e se acomodar no jogo eleitoral.  Neste aspecto, é ainda indicado que a participação nas eleições deveria ter como eixo fundamental a integração na política da frente ampla, retomando o discurso da “ciência” para o abandono das ruas e aliança com a direita “democrática”.

“Por isso, muitos que gostariam de se manifestar nas ruas não atenderão à convocação. Não é responsável chamar as pessoas às ruas, como faz Bolsonaro, mesmo ressalvando os que estão nos grupos de risco. Os democratas devem estar ao lado da ciência e da saúde.”

A política de depositar todas as esperanças nas eleições não é somente um problema de meio de ação, mas relaciona-se com uma política de subordinação à burguesia, como fica claro neste trecho do artigo.

“Bolsonaro e seu projeto fascista serão derrotados com uma ampla participação da população e uma forte aliança política, não com a ação de grupos radicalizados. “

Essa política é uma política de derrotas, uma vez que coloca os trabalhadores a reboque da direita.

Em relação aos argumentos sobre a impossibilidade do Fora Bolsonaro, devido a inexistência de uma maioria parlamentar favorável a saída do governo, é interessante recuperar a experiência da queda do governo Collor, na ocasião não havia o número de votos suficientes para para o impeachment antes da mobilização popular. Entretanto, através das mobilizações, especialmente dos estudantes, os parlamentares foram tencionados a aprovar a saída de Colllor.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas