Sem princípios
Legenda decidiu manter financiamento de banqueiro a candidatura em Duque de Caxias
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
fraga
Banqueiro Armínio Fraga | Foto: Zanone Fraissat/Folhapress

O anúncio de que um candidato do PSOL a vereador na cidade carioca de Duque de Caxias está sendo financiado pelo banqueiro tucano Armínio Fraga causou bastante repercussão nos últimos dias. Contudo, a repercussão não se deu propriamente pelo fato em si — não é novidade alguma que o PSOL é financiado por setores capitalistas —, mas sim porque foi um caso que veio a público.

Apesar de o PSOL — isto é, sua direção e suas inúmeras frações — ser conivente com esse tipo de prática, era de se esperar que a legenda, especialista no uso da demagogia, procurasse, de alguma maneira, fingir que tomaria medidas contra isso. Mas nem mesmo esse tipo de demagogia se viu: o deputado federal Marcelo Freixo ameaçou abandonar o PSOL caso a candidatura de Wesley Teixeira fosse cassada e o partido acabou mantendo a candidatura e o financiamento de Armínio Fraga.

Se nem mesmo a famosa demagogia da “laranja podre” o PSOL decidiu utilizar para justificar seu suposto erro “acidental”, ficou evidente que o partido como um todo tolera a mais escancarada corrupção de seus candidatos por meio do financiamento de capitalistas. Em outras palavras, que, apesar da demagogia que tenta fazer junto a setores pequeno-burgueses de esquerda, o PSOL se comporta verdadeiramente como um partido burguês.

Dada essa situação, qualquer militante ou grupo que se diga revolucionário não poderia, sob hipótese alguma, permanecer sob o guarda-chuva do PSOL. Pois isso equivaleria a estar em uma organização cujas diretrizes são determinadas, de maneira explícita, pela burguesia. Se é aceito tranquilamente que a burguesia escolha os candidatos que irá financiar, é óbvio que a burguesia também irá determinar o programa que o partido irá seguir. Afinal, o PSOL não é um partido de programa, mas sim uma federação de indivíduos e grupos que não têm absolutamente nada em comum a não ser o deslumbramento com os privilégios que o regime político dispõe.

No caso do PSOL, vale ainda lembrar um segundo problema. A legenda não é um partido de esquerda vivo que está sendo tomado por uma ala burocrática e reacionária. Isto é, o argumento de que o PSOL “se tornou” um partido abertamente controlado pela burguesia não é um argumento honesto, porque o PSOL nunca foi um partido de massas e, portanto, sempre foi um partido propício à penetração dos elementos mais carreiristas e contrarrevolucionários.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas