Não existe mais livre concorrência: imperialismo norte-americano pressiona Alemanha a não usar equipamentos da chinesa Huawei

https_s3-ap-northeast-1.amazonaws.compsh-ex-ftnikkei-3937bb4images310817018013-5-eng-GBhuawei

De acordo com o jornal The Wall Street Journal, o governo dos Estados Unidos aumentou a pressão para que a Alemanha pare de usar tecnologia da empresa chinesa Huawei.

Uma carta enviada pelo embaixador dos EUA para o ministro da economia alemão ameaça: caso a Alemanha continue a utilizar os equipamentos da empresa Huawei para implementar sua futura rede 5G, os Estados Unidos vão parar de compartilhar informações de inteligência com a Alemanha.

O governo de Donald Trump, nos últimos anos, tenta, assim como faz com a Alemanha, convencer vários países a não utilizar equipamentos de empresas chinesas com a desculpa de que a infraestrutura chinesa poderia ser empregada para fins de espionagem e, dessa maneira, deixaria os países que a usam vulneráveis em relação aos ataques cibernéticos.

Alguns países aliados norte-americanos como a Nova Zelândia e a Austrália seguem a recomendação dos EUA. Porém, vários países europeus questionam a ausência de provas por parte dos EUA que comprovem a existência destas falhas de segurança.

Este clima tenso entre os EUA e a chinesa Huawei aumentou após a diretora financeira e também filha do fundador da empresa Meng Wanzhou ter sido presa acusada de violar sanções comerciais e realizar fraude financeira, no Canadá. A empresa alegou inocência. Logo após este ocorrido, a Huawei afirmou que vai abrir um processo contra o governo dos EUA sob a justificativa de que proibir a utilização de seus equipamentos é inconstitucional.

O que acontece entre a empresa chinesa Huawei e os EUA é parte da guerra comercial que se intensifica entre os dois países, bem como entre conjunto dos países. O imperialismo não aceita concorrência e usa a justiça e outras instituições para impedir a Huawei de disputar o mercado. Isso é o imperialismo e a sua intenção de controlar todo o mercado.