Anunciado
Extrema-direita volta a carga contra o centro político, deixando claro que a direita tradicional não tem força alguma para nada
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Foto: Marcos Corrêa/PR
General Luiz Eduardo Ramos com Bolsonaro | Foto: Marcos Corrêa/PR

Em um novo capítulo da luta política que vem se desenvolvendo há anos, e que ganhou especial intensidade a partir do golpe que derrubou a ex-presidenta Dilma Rousseff, o general Luiz Eduardo Ramos, ministro-chefe da Secretaria de Governo do presidente Jair Bolsonaro, fez uma declaração em entrevista à igualmente golpista revista Veja que merece atenção. Disse o general:

Fui instrutor da academia por vários anos e vi várias turmas se formar lá, que me conhecem e eu os conheço até hoje. Esses ex-cadetes atualmente estão comandando unidades no Exército. Ou seja, eles têm tropas nas mãos. Para eles, é ultrajante e ofensivo dizer que as Forças Armadas, em particular o Exército, vão dar golpe, que as Forças Armadas vão quebrar o regime democrático. O próprio presidente nunca pregou o golpe. Agora o outro lado tem de entender também o seguinte: não estica a corda.

Duas considerações precisam ser feitas a esta declaração. A primeira, é a lembrança que o general faz de sua influência sobre ex-cadetes que “têm tropas nas mãos”, numa clara intimidação. A outra, também de natureza intimidatória, é a forma como o general termina a fala, sob o qual caberia um questionamento óbvio, o que aconteceria se “o outro lado” esticasse a corda? Com a palavra, o próprio ministro:

“O Hitler exterminou 6 milhões de judeus. Fora as outras desgraças. Comparar o presidente a Hitler é passar do ponto, e muito.”

Sob a desculpa de que comparar Bolsonaro a Hitler seria “passar do ponto, e muito”, o general efetivamente fez isso.

Ramos não é o único. Em nota conjunta, assinada por Bolsonaro, Mourão e o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo, os golpistas, também na linha “indignada” declararam:

“As FFAA do Brasil não cumprem ordens absurdas, como p. ex. a tomada de poder. Também não aceitam tentativas de tomada de poder por outro Poder da República, ao arrepio das leis, ou por conta de julgamentos políticos”

Claro que é absurdo. O que as Forças Armadas mais fizeram ao longo da história brasileira foi justamente cumprir “ordens absurdas, como por exemplo, a tomada de poder.” O que chama atenção na nota, tal qual na declaração do general Ramos, é a afirmação de que o alto escalão das Forças Armadas tampouco “aceitam tentativas de tomada de poder por outro Poder”, algo que não observado quando se tratava de derrubar a petista Dilma Rousseff, operação em que participaram o Legislativo, o Judiciário e as próprias Forças Armadas.

Em meio ao expressivo aprofundamento da crise política, a extrema-direita ainda se sente forte o bastante para ameaçar o “centro” político, numa clara indicação de que a direita tradicional não tem força alguma para nada, muito menos para derrubar Bolsonaro (apenas para “colocá-lo na linha”), o que só pode ser conseguido com mobilizações de massa nas ruas. Qualquer tentativa em contrário é mera tentativa de confundir a população.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas