Crise financeira
A moeda brasileira acompanha a destruição da economia brasileira em favorecimento do imperialismo, que suga todo a indústria e os direitos dos brasileiros
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
moeda-comida-real
Diminuição do real | Foto: Reprodução

O Real tem sido uma das moedas mais desvalorizadas em todo o planeta neste ano. Dentre 30 moedas analisadas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), a moeda brasileira teve a maior desvalorização em relação ao Dólar.

No começo do ano, o Dólar já estava alto, chegando a R$ 4,0232. No entanto, com o passar do tempo, a moeda se desvalorizou e atingiu o patamar de R$ 5,9007 no mês de maio. Hoje, a moeda se encontra em R$ 5,10, e deve fechar o ano entre R$ 5,00 e R$ 5,11.

A situação fica mais dramática, quando vemos que o dólar também se desvalorizou, ou seja, o real se desvalorizou em relação a uma moeda que também tem se desvalorizado em relação ao Euro, por exemplo.

A burguesia tenta apresentar a queda do Real como um cenário apenas negativo para os investidores. Mas a verdade é que essa desvalorização tem permitido, dentre outras coisas, que os países europeus comprem vários produtos brasileiros em abundância, o que faz com que esses mesmos produtos fiquem escassos no País, o que gera inflação para o povo e o aumento do preço de vários produtos, principalmente para os alimentos, como temos visto nos casos de produtos como o arroz, por exemplo.

Bolsonaro não esboça nenhuma reação sequer a essa política. Deixando que os produtos saiam livremente do País, o governo permite que a população passe por uma de suas maiores crises de sua história.

A desvalorização da moeda nacional ocorre por conta da fragilização e da destruição da economia brasileira. Bolsonaro tem levado adiante uma política de total subserviência e dependência do capital estrangeiro, atacando empresas nacionais e retirando direitos dos trabalhadores.

O imperialismo ainda tenta aumentar essa política, fazendo com que Bolsonaro tente privatizar várias empresas nacionais, permitir que terras possam ser compradas por estrangeiros, retirar ainda mais direitos e deixar que o povo passe fome.

Se tudo isso não bastasse, o Brasil ainda permite que os capitalistas retirem dinheiro do país, o que desvaloriza ainda mais a moeda local. A tendência de retirada do dinheiro, por parte da burguesia internacional, ocorre por conta da crise que não parece ter fim em um horizonte próximo. Além disso, com a retirada do dinheiro, o imperialismo tenta criar a ideia de que o Brasil precise ainda mais implantar a política neoliberal e faça “reformas”, que nada mais são do que mais destruição para a economia brasileira para que eles possam sugar os recursos do país.

No entanto, não é só Jair Bolsonaro que leva adiante essa política. A direita tradicional espera que Bolsonaro “entre na linha” pare de falar besteiras e comece a levar adiante essa política neoliberal com mais firmeza. Ao mesmo tempo, esse setor da direita tenta encontrar um substituto a Bolsonaro que não se indisponha minimamente com o imperialismo e permita a política neoliberal no país.

Essa direita é a mesma que dizia durante o golpe de 2016 que bastava retirar o PT para que o Dólar caísse e a classe média brasileira pudesse ir para a Disney uma vez ao ano. No entanto, o dólar estava em R$ 3,85 um dia antes do processo de abertura do impeachment por parte de Eduardo Cunha, dia 1 de dezembro de 2014, valor que estava abaixo, inclusive, do valor do começo deste ano.

Todo este panorama serve somente para mostrar a que veio o golpe de estado no Brasil. Os golpistas somente desejavam retirar direitos da população para entregar tudo de mão beijada ao imperialismo, diminuindo drasticamente a qualidade de vida da população brasileira para que o regime capitalista internacional pudesse continuar esmagando a população.

Mais uma vez é preciso dizer que a única política que pode reverter essa situação é a política de enfrentamento ao golpe de Estado. Não é possível se alinhar à Rede Globo, à Veja, ao Estadão à Folha, ao DEM, ao PSDB, MDB e demais partidos burgueses que deram o golpe, fizeram campanha para que Lula fosse preso e que agora querem uma frente ampla entre a esquerda e a direita para “derrotar Bolsonaro”.

É preciso que a classe trabalhadora seja completamente independente da burguesia e se enfrente contra o golpe de Estado, exigindo o fim do governo Bolsonaro e a restituição dos direitos políticos de Lula para que ele possa ser candidato a presidente em 2022, além de lutar contra as privatizações – assim como a nacionalização das empresas que foram privatizadas-, a retirada dos direitos trabalhistas, por um aumento real de salário, com um mínimo de R$ 5.000,00 e a redução da jornada de trabalho para 35 horas semanais.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas