300 mil mortos
Contra a quebradeira do País e a falência capitalista é preciso intensificar a organização independente e revolucionária dos explorados
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
maia-bolsonaro-doria-600x455
Confessando ou não, a direita quebrou o País e precisa ser derrotada | Foto: Reprodução

Em um um lapso de sinceridade, o presidente ilegítimo reconheceu publicamente nesta semana que “o País esta quebrado”.

Obviamente que a declaração oculta o fato de que esta situação não é obra do acaso ou mero resultado da pandemia, que no País assume a forma de um verdadeiro genocídio e que o presidente ilegítimo Bolsonaro e toda a direita estão impulsionando, conscientemente.

Neste período, eles agravaram a situação de devastação da economia nacional e das condições de vida da população, que se impôs com o golpe de Estado de 2016.

Como era de se esperar, os chefes das máfias políticas e seus escribas na venal imprensa burguesa protestaram contra a declaração de Bolsonaro, feita em um dos raros momentos em que o presidente que eles elegeram disse, ainda que parcialmente, a verdade. A direita continua adotando a máxima de do ex-ministro da Fazenda (1994), Rubens Ricupero que, sem saber que estava no ar, na TV Globo “confessou” ao Mundo, aquilo que todo político burguês faz:

“Eu não tenho escrúpulos. O que é bom a gente fatura; o que é ruim, esconde”

Por isso, os senhores da politica burguesa recriminam Bolsonaro. Quebrar o País, matar o povo de fome, deixar os trabalhadores sem direitos, sem empregos, sem auxílio emergencial, sem testes etc., tudo bem… mas reconhecer que o País está quebrado, aí já é demais, segundo eles.

Bolsonaro acrescentou, com exatidão, que ele não pode fazer nada a respeito. Modéstia. Ele está fazendo. Junto com toda a direita, principalmente os que fingem lhe fazer oposição, contribuindo para aumentar a quebradeira do povo, a devastação do País, enquanto banqueiros e um reduzidíssimo grupo de bilionários aumentam seus lucros.

Mas a quebra do País à qual Bolsonaro se refere não é apenas um fenômeno nacional, como também não pode ser atribuída apenas à pandemia do Coronavírus.

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil encolheu 6,02% no ano passado, mas quedas semelhantes atingiram todo o mundo, incluindo as grandes potências capitalistas, como os EUA, (-3,70%); Japão, (-5,3%); França, (-9,11%) e Reino Unido, (-11,25%). Um destacado economista da London School of Economics, Tristen Naylor, especialista em relações internacionais enfatizou, se referindo aos sete países mais ricos:

“Está todo mundo quebrado agora, até mesmo o G7. Ou melhor: especialmente, o G7”.

Aqui e em todo o mundo, a burguesia se divide entre os que repetem Bolsonaro, afirmando que “não podem fazer nada” e os cínicos, “científicos” que anunciam uma salvação próxima que viria com a vacina, da qual eles não têm nenhuma garantia, cuja primeira dose só foi dada a  menos de 0,2% da população mundial (quase ninguém!) sendo usada apenas para jogadas econômicas e políticas contra o povo.

Iniciamos 2021 superando, já na primeira semana, a tenebrosa marca de 200 mil mortos pela covid-19, segundo números oficiais. Somos o segundo país do mundo em número de mortos e o terceiro, de infectados, com mais de 7,8 milhões de casos. No entanto, estudos de órgãos técnicos e declarações dos próprios ex-ministros da Saúde do governo Bolsonaro, indicam que essas cifras seriam de 30% a 50% maiores. Ou seja, teríamos, neste momento, cerca de 300 mil brasileiros mortos.

À essa situação soma-se um recorde de pessoas em situação de “insegurança alimentar”, isto é, que estão passando fome em diferentes medidas. O número gira em torno dos 100 milhões de pessoas. O País tem também – pela primeira vez em sua história – um número maior de trabalhadores desempregados e subempregados (que trabalham apenas algumas horas por dia ou alguns dias por mês) do que o total de empregados. A burguesia tirou proveito dessa situação para rebaixar como nunca os salários, que no serviço público estão congelados há vários anos e/ou atrasados em vários estados e municípios.

É preciso fazer de 2021 um ano de lutas para pôr abaixo o regime que não consegue sequer manter a vida dos seus escravos. Contra a quebradeira do País e a falência capitalista é preciso intensificar a organização independente e revolucionária dos explorados. Fortalecer ou construir partidos independentes da burguesia, partidos operários revolucionários que impulsionem a mobilização dos explorados sobre a base de um programa próprio diante da crise.

Em nosso País, é preciso superar a política reacionária dos setores da esquerda que querem manter os trabalhadores e suas organizações atrelados à burguesia golpista e fazer crer que eles mesmos, que quebraram o País, serão os salvadores da pátria. Superar a paralisia que essa política impõe e impulsionar a luta pelas reivindicações mais imediatas do povo trabalhador diante da crise (como a defesa do auxílio emergencial de um salário mínimo para todos que necessitem; redução imediata da jornada de trabalho para 35 horas semanais; reposição das perdas salariais; impedir a volta às aulas sem vacina, barrar as privatizações etc.), junto com a luta central para colocar para fora Bolsonaro e todos os golpistas, pela conquista dos direitos políticos do ex-presidente Lula e por sua candidatura presidencial, capaz de unir e mobilizar milhões de explorados em uma luta política decisiva contra o regime imposto pelo golpe de 2016.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas