Siga o DCO nas redes sociais

Ataque fascista
Não é simplesmente “intolerância”, é a direita golpista em ação
A burguesia, seguida pela esquerda pequeno-burguesa, procura esconder que os ataques fascistas são impulsionados pela direita golpista
IMAGEM_NOTICIA_3 (1)
Ataque fascista
Não é simplesmente “intolerância”, é a direita golpista em ação
A burguesia, seguida pela esquerda pequeno-burguesa, procura esconder que os ataques fascistas são impulsionados pela direita golpista
Sede da produtora danificada pelo fogo.
IMAGEM_NOTICIA_3 (1)
Sede da produtora danificada pelo fogo.

O episódio do ataque com coquetel molotov à sede da produtora do canal de humor Porta dos Fundos trouxe à tona que a extrema-direita está levantando a cabeça, passando de uma ação meramente intimidatória, procurando censurar e fazer propaganda para uma ação mais efetiva.

Setores da burguesia, para disfarçar o real conteúdo desses ataques, procura apresentar o problema como sendo um resultado da “intolerância” e do “ódio”. Essa mesma ideia é seguida pela maior parte da esquerda pequeno-burguesa.

Artigo no jornal O Globo, de 26 de dezembro, intitulado “Sinais de agravamento da intolerância” defende que o ataque contra o Porta dos Fundos, assim como o que vem acontecendo contra as religiões de matriz africana, com terreiros sendo destruídos por evangélicos, é motivado por uma intolerância religiosa. Isso nos leva à conclusão de que tal ‘intolerância’ seria produto quase natural da sociedade, como se fosse algo fantástico, não uma política direcionada e impulsionada pela direita golpista.

Segundo artigo de O Globo: “É um si​nal dos tem​pos, pois in​di​ca que o país já não é mais tão sin​cré​ti​co as​sim. Pe​lo con​trá​rio, a convivên​cia en​tre di​fe​ren​tes cre​dos é ca​da vez mais di​fí​cil. A Co​mis​são de Com​ba​te à In​to​le​rân​cia Re​li​gi​o​sa re​ce​beu em tor​no de 200 denúncias es​te ano no Es​ta​do do Rio até aqui, mais do que o do​bro de 2018.” Por algum motivo espiritual, o povo brasileiro teria modificado sua formação social e cultural.

A burguesia defende esse ponto de vista porque pretende esconder a polarização política no País. Tem que esconder a realidade, que o caso contra o Porta dos Fundos é uma ação impulsionada pela direita golpista, pela ação da extrema-direita.

A imprensa golpista não dá nome aos bois porque precisa encobrir que casos como esses são produto de sua própria política golpista que colocou na rua os setores da extrema-direita fascista. Colocou na rua e colocou na presidência um elemento fascista que todos os dias do ano pregou o ataque contra a esquerda e contra qualquer manifestação progressista. Não se trata portanto de uma “intolerância” abstrata, se trata de uma polítca cuja principal responsável é justamente a burguesia golpista. Sem derrubar Bolsonaro e todos os golpistas, e sem enfrentar energicamente os fascistas nas ruas, a situação tende a piorar.