Lições da luta contra o golpe
Há dúvida sobre quem são os verdadeiros responsáveis pela derrota das lutas contra o impeachment, os processos e a prisão de Lula?
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ato-pela-democracia-contra-o-impeachment-avenida-paulista-16-12-2015-108
16/dez./2015: primeiro ato contra o impeachment na Av. Paulista | Arquivo Diário Causa Operária
ato-pela-democracia-contra-o-impeachment-avenida-paulista-16-12-2015-108
16/dez./2015: primeiro ato contra o impeachment na Av. Paulista | Arquivo Diário Causa Operária

Uma pergunta aparece inevitavelmente quando o Partido da Causa Operária e, destacadamente, o companheiro Rui Costa Pimenta tratam da situação política nacional: “mas por que o povo não se revolta, se mobiliza e luta contra a direita?” O questionamento é legítimo, pois reflete o interesse de quem quer mobilizar e lutar, mais ainda diante das dificuldades do momento. As respostas que a esquerda pequeno-burguesa dá a ela, não.

Ouve-se frequentemente de dirigentes esquerdistas que o povo “não se mobiliza”, está “apático”, “paralizado”, é “inconsciente” ou, ainda, “as massas populares estão muito direitistas” e, no extremo, “viraram bolsonarista”. São frases capazes de desanimar qualquer pessoa de esquerda e deleitar a direita. Não é difícil concluir dessas máximas que a luta contra o governo do fascista Bolsonaro e todos os golpistas está quase (senão totalmente) perdida. Será mesmo culpa do povo que um golpe de Estado foi dado em 2016 e um fascista tenha chegado ao poder em 2018? 

Um balanço da luta até aqui

Em última instância, de fato o impeachment não foi impedido, Lula não foi processado e preso e as eleições presidenciais não foram fraudadas porque o povo não se mobilizou amplamente para lutar. Para um observador desatento, isso parece justificar teses como as que vimos acima. Concluir que “o povo não se mobiliza contra a direita hoje” porque “o povo não se mobilizou contra a direita ontem”, contudo, não é um bom uso dos recursos mais elementares de lógica. 

Para quem quer lutar, a análise do problema não pode partir dessa redundância inútil. Dizer que não há luta porque não houve luta não é um ponto de partida válido para quem não quer ficar prostrado diante dos acontecimentos. Não se trata de uma discussão sobre palavras, mas sobre fatos e acontecimentos reais, de uma experiência política que vem se processando durante os últimos oito anos.

É preciso dizer claramente: em medidas diferentes, houve luta contra o impeachment, contra os processos e a prisão de Lula e, de um modo geral, contra a ofensiva desfechada pelos golpistas, de Temer a Bolsonaro e o Congresso Nacional. 

Essa luta, no entanto, não foi bem sucedida porque se deu em um terreno muito limitado. Não se desenvolveu e se aprofundou, não envolveu camadas decisivas da população explorada e oprimida pela direita. Por quê?

As direções são responsáveis, não o povo

Há uma causa para tudo isso. As coisas se deram desse modo porque as direções da esquerda e das organizações de massas vacilaram, se omitiram, nada fizeram ou mesmo lutaram abertamente contra a mobilização. Na sua luta política contra a burguesia e os inimigos do povo, as massas oprimidas precisam de uma direção. A política e a ação desta são decisivas para o sucesso da luta. As atuais direções da esquerda estão, nesse sentido, completamente desnorteadas.

Para mobilizar as massas, uns prometem uma solução vaga e um tanto misteriosa: “fazer trabalho de base”. Supõe-se que os que recomendam essa solução já a estejam colocando em prática. Se é assim, por que a questão continua sem resposta? Por que o povo não se mobiliza? É um círculo vicioso.

Outros luminares da esquerda vão direto ao ponto que lhes interessa: “vote em mim, porque minha candidatura vai derrotar fascismo”. Não têm política. Não fazem política pensando em levar o povo às ruas, à luta, e sim às urnas, ao voto. Não têm, evidentemente, o mesmo objetivo dos que formularam a famosa pergunta.

Faltou iniciativa, faltou política, faltou vontade

O povo não encontra nos partidos da esquerda parlamentar, pequeno-burguesa, reformista e moderada, uma liderança para se organizar para lutar. Eis o “X” da questão. Tanto os burocratas acomodados nos sindicatos e organizações populares, quanto os vereadores, deputados, senadores, prefeitos e governadores que se preocupam apenas com a próxima eleição, não servem para liderar uma luta popular. Deixados sem uma política correta, sem iniciativa, sem organização, sem direção, os trabalhadores teriam que se mobilizar por sua própria conta.

O Partido da Causa Operária empenhou todas as suas forças para promover essa mobilização desde o primeiro momento da ofensiva golpista – que identificamos lá pelos idos do julgamento do Mensalão em 2013. Sabíamos, desde o início, que não seria o suficiente. Dirigimos sistematicamente nosso apelo aos sindicatos, organizações populares, movimentos e partidos de esquerda que se somassem ao esforço de mobilizar e organizar o povo trabalhador em todas as etapas dessa luta. 

Nosso chamado não caiu em ouvidos moucos. Pelo contrário. A intervenção do PCO e a reação de uma parte dessas organizações e seus dirigentes levou às ruas diversas manifestações, realizou greves e protestos em uma campanha nacional. O problema é que não foi o bastante

A campanha de rua não atingiu tantas pessoas quanto deveria – faltaram materiais, gente para distribuir etc. 

A mobilização dos sindicatos e movimentos sociais não alcançou suas bases, parando a meio caminho entre as cúpulas e os setores já organizados em suas estruturas. 

Faltou decisão e firmeza, e também uma concentração maior de esforços, quantidade, qualidade, intensidade e ritmo na luta política para fazer a campanha se tornar uma ampla mobilização popular de fato. Faltou, principalmente, uma compreensão clara da parte das direções políticas sobre o caráter da luta em andamento, suas consequências etc. 

Em suma, a luta contra o golpe não avançou, principalmente por falta de uma firme direção política para o movimento de massas. Mas isso não deve desesperar quem quer levar a luta adiante, nem ser tomado como obstáculo intransponível. Sempre há um caminho para quem sabe onde quer chegar.

As tarefas de um partido revolucionário

O fato de que as direções da esquerda não consigam, não queiram ou simplesmente não mobilizam as massas tem que ser compreendido à luz da história da luta de classes internacional, da experiência política da classe operária brasileira e de uma teoria revolucionária, o marxismo.

Afinal de contas, perguntas como “por que o povo não se mobiliza?” e “como mobilizar o povo?” só têm interesse para quem tem como objetivo final o socialismo e compreende que o único caminho para chegar a esse estágio superior da história da humanidade é preciso uma revolução proletária. Ou seja, responder a essas perguntas e, mais do que isso, colocar em prática a solução para esses problemas interessa diretamente aos trabalhadores e o povo explorado e oprimido.

É tarefa, portanto, de quem quer levar a luta política atual às suas últimas consequências, construir um partido operário, revolucionário e de massas, uma direção consciente que abra o caminho para que os trabalhadores avancem, lutem, não só diante dos obstáculos às suas reivindicações imediatas, como pelos seus objetivos estratégicos: a revolução, o governo operário e o comunismo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas