Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

No último período, especialmente depois do golpe de Estado, a direita brasileira tem se organizado para intervir nas mais variadas oportunidades, e as festividades de Carnaval não poderia ser diferente.

Em São Paulo, a extrema direita, defensora da ditadura, publicou que faria um desfile neste ano, em um bloco chamado Porão do Dops, em referência e, na verdade, homenagem ao Departamento de Ordem Política e Social (DOPS), instituição criada pela ditadura militar que torturou e assassinou quem lutou contra o regime de chumbo.

Esse bloco, logo que foi anunciado, gerou uma enorme controvérsia nas redes sociais, além de ser criticado e denunciado pela esquerda democrática e revolucionária. Muitos militantes da esquerda pretendem comparecer ao local para dispersar a “festa” dos direitistas.

O bloco pretende homenagear Brilhante Ustra, delegado Sérgio Fleury, dentre outros representantes da brutalidade militar e da tortura brasileira.

Acionado pelo grupo Tortura Nunca Mais, o Poder Judiciário, tentando se passar como instituição democrática, decidiu, através do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), que o bloco Porão do Dops não deve fazer seu desfile.

Segundo o TJSP o bloco e os foliões devem se abster “de utilizar expressões, símbolos e fotografias que possam ser claramente entendidas como apologia ao crime de tortura”, e, como não tem autorização da prefeitura, não deve desfilar.

Em primeiro lugar é preciso dizer que o Poder Judiciário é um dos principais agentes responsáveis pelo golpe de Estado; golpe que abriu caminho para esse tipo de atividade fascista. Foi o poder não eleito que homologou todas as arbitrariedades de golpistas como Sérgio Moro e outros, responsáveis pela atual crise política e social do país.

Em segundo lugar, a luta democrática em geral e a luta contra a direita no particular deve ser feita nas ruas, com o movimento popular organizado, levando adiante suas reivindicações. A direita precisa ser varrida do mapa pela força do movimento operário organizado.

Autorizar que o judiciário, o mesmo responsável pelas 700 mil pessoas encarceradas no Brasil, pelo golpe de Estado, e outras atrocidades, tome para si uma suposta defesa de direitos é um erro gigantesco.

A censura do bloco dos fascistas é o primeiro passo para censurar absolutamente todo o Carnaval e, certamente, os blocos esquerdistas, que costumam desfilar no Carnaval com marchinhas e denúncias políticas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas