Menu da Rede

Não é coincidência: primeiro resultado da intervenção militar foi a execução de uma liderança de esquerda

Tempo de Leitura: 2 Minutos

Publicidade

O caso do assassinato da vereadora do PSOL do Rio de Janeiro, Marielle Franco, mostra que a presença dos militares nas ruas impulsiona a extrema-direita e abre caminho para um ataque generalizado contra toda a esquerda. Ainda não se sabe quem exatamente matou a vereadora. O que se sabe é que as características do assassinato são de uma execução policial, as balas eram da Polícia Federal do mesmo lote usado pelos policiais que promoveram a chacina de Osasco e Marielle era uma inimiga da repressão nos morros do Rio de Janeiro.

A execução da vereadora tem ligação direta com a presença dos militares nas rias do Rio de Janeiro. Grupos fascistas que em sua maioria tem ligações estreitas com as polícias estão à vontade para cometer esse tipo de atrocidade. As Forças Armadas, que nesse momento comandam o Rio de Janeiro, tem responsabilidade pelo que aconteceu.

Mas o mais importante é que fica claro que a presença dos militares bem como a política dos golpistas impulsiona uma ofensiva contra a esquerda e as organizações populares. Ou seja, não é coincidência que em um mês de intervenção militar não tenha se ouvido fala em nenhuma grande operação contra o “crime” mas tenha acontecido justamente a execução de uma liderança de esquerda. Coincidências não existem, em política menos ainda.

Não que em algum momento fosse possível acreditar que os militares estivessem nas ruas para garantir a “segurança” como procurou defender o governo golpista, mas o fato torna a farsa ainda mais escandalosa e ele se junta ainda com as inúmeras denúncias de moradores, em especial da Vila Kennedy, local onde primeiro o Exército se instalou.

Se a esquerda e os movimentos populares não organizarem comitês de autodefesa, se não for colocada em prática uma política que convoca as massas para lutarem contra o golpe, contra a prisão de Lula e todas as medidas dos golpistas que vão devastar os direitos do povo, a direita e a extrema-direita irão cometer outras atrocidades como essa. O fascismo é um subproduto do golpe de Estado.

Populares na Rede
[wpp range="last24h" limit="3"]
NA COTV

Análise Política na TV 247, com Rui Costa Pimenta (Reprise)

0 Visualizações 26 minutos Atrás

Watch Now

Send this to a friend