Vote e lute no PCO, 29.
O candidato do PCO para a prefeitura de São Paulo, deu uma entrevista ao jornal Globo lançada no dia 21. O companheiro defendeu o programa do partido, único partido com programa.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
WhatsApp Image 2020-10-20 at 21.37.20
Companheiro Antônio Carlos em atividade nacional do PCO, partido que não possui dois programas! | Foto: Reprodução

O candidato do Partido da Causa Operária (PCO) a prefeitura de São Paulo, principal centro político do País, defendeu o programa do Partido para um dos principais veículos da imprensa burguesa, O Globo. Antônio Carlos, militante político do partido há cerca de quarenta anos, membro de sua direção nacional e atual candidato à prefeito, argumentou sobre posições fundamentais da luta política e polêmicas com a esquerda pequeno-burguesa. Mesmo com todas as artimanhas da imprensa golpista, ficou evidente na entrevista que o programa do PCO é oposto ao dos demais partidos, o qual apresenta uma verdadeira proposta de mobilização e de luta a toda classe trabalhadora.

Antes de mais nada, Antônio Carlos colocou o caráter fraudulento das eleições, destacando que 

“a eleição começou de maneira muito antidemocrática porque alijou o PCO e mais nove partidos do horário eleitoral gratuito, e nossas candidaturas ficam invisibilizadas.”

A campanha contra qualquer alternativa independente da classe trabalhadora é completamente impulsionada pela burguesia, assim, como seu terreno é o terreno das urnas e das fraudes, o partido não apresenta ilusão com uma vitória nas eleições.

O companheiro também argumentou uma das defesas mais fundamentais para qualquer partido digno de se chamar revolucionário, o armamento de povo.

Existe uma guerra e só um lado tem armas. É uma forma de aumentar a matança da população negra e pobre.”

Diferente de Bolsonaro que defende o armamento para uma parcela favorecida da população, bem como em oposição ao utópico pacifismo da esquerda cirandeira, o PCO defende o armamento de todos os oprimidos, para fazer frente à ampliação do armamento das milícias fascistas e da burguesia.

Ao invés de discutir sobre os milagrosos projetos administrativos para acabar com a crise de saúde, ele localizou a crise na realidade, apontando suas causa e a única forma de combatê-la.

O governo de São Paulo é cúmplice e talvez o maior responsável pela situação. É a cidade mais rica do país e temos a segundo maior número de mortes no mundo. Tem mais mortes que Cuba e Venezuela juntos. Mais mortes que a Argentina. Foi uma situação para que o atual prefeito nem se candidatasse à reeleição.”, destacou Antônio Carlos.

Diante do caráter obviamente genocida da direita golpista e do bolsonarismo, o PCO propõe que a esquerda se una em torno de Lula candidato para 2022, em uma grande campanha de mobilização para derrubar Bolsonaro e o golpe do imperialismo.

Nesse sentido, contra as perguntas intrigantes, o companheiro defendeu os direitos democráticos de Lula, que foi preso sem qualquer prova e até sem condenação efetiva.

Segundo o companheiro,

“o que se demonstra é que houve intervenção do imperialismo. Não é um problema de idolatria ao Lula.”

Nesta mesma linha, o candidato também defendeu a posição do partido em relação aos ataques punitivistas do estado à população, questão quente com o caso de Robinho, o qual foi condenado em prisão de primeira instância na Itália. 

Não defendemos o Robinho pessoalmente nem nada, mas o direito democrático de cada cidadão, inclusive do cidadão Robinho.”

Entre as perguntas, ressalta-se a ilusão e o desespero de partidos da esquerda para ganhar as verbas eleitorais. Antônio Carlos explicou que a defesa de Lula e de toda luta contra o golpe se dá para defender os interesses da classe operária ligada com as organizações sindicais e populares vinculadas ao PT. Já o PSOL, como bem argumentado, não possui um vínculo real com a população. 

“O que o PSOL faz quando tem uma coisa que ele está contra? Entra com ação no Ministério Público, propõe uma comissão de ética na Câmara. O PSOL não tem força para organizar greve, não dirige nenhuma categoria fundamental.”

Respondendo a pergunta sobre o caráter peculiar da participação do partido nas eleições, ele enfatizou

“as eleições mostram o motivo da existência dos partidos. Se os partidos não vão às eleições e apresentam uma proposta diferente, significa que eles não têm razão de ser.”

Dessa forma, é importante colocar que o PCO é completamente contrário ao abstencionismo eleitoral. O partido defende que as eleições são mais um dos meios para fazer a campanha pela luta dos trabalhadores, tanto por condições mínimas de dignidade, quanto para derrubar Bolsonaro e seguir com um programa coerente para construir o Estado Operário e o socialismo.

Por isso, vote 29 e lute com o PCO para derrubar Bolsonaro e reivindicar novas eleições gerais já, com Lula candidato! 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas