Menu da Rede

Região Sul registrou atos em mais de uma centena de cidades

Batendo continência

Nada de verde e amarelo, a bandeira da esquerda é vermelha

Dirigente da UNE sobe no carro de som para defender que a esquerda abandone o vermelho das ruas

A esquerda é vermelha, não verde e amarelo – Foto: DCO

Publicidade

No ato do último sábado (19) em São Paulo, um dirigente da União Brasileira dos Estudantes (UNE), entidade historicamente controlada pelo PCdoB, afirmou que “nós” — isto é, os manifestantes — deveriam “bater continência” para a bandeira do Brasil. A declaração, obviamente, não expressa uma opinião despropositada do dirigente estudantil ou uma mera frase de efeito em meio a um discurso acalorado: a UNE, com isso, está endossando uma campanha em torno da bandeira do Brasil nas manifestações da esquerda.

Não por coincidência, no mesmo ato em que o dirigente sugeriu “bater continência”, a burguesia organizou um esquema para a distribuição de bandeiras do Brasil. Conforme flagrado pela equipe deste diário, algumas pessoas estavam distribuindo gratuitamente bandeiras do Brasil aos manifestantes. E mais: conforme nossa equipe apurou, os vendedores que trouxeram as bandeiras para vender nas manifestações são todos empregados de um mesmo fornecedor. Não se trata, portanto, de qualquer “patriotismo” nos atos, é claramente um negócio. E um negócio que já foi feito antes, nas manifestações de 2013.

Quando pede que batam continência para a bandeira do Brasil, o dirigente da UNE está pedindo, na verdade, que o povo revoltado, que saiu às ruas porque não aguenta mais ser tratado feito animal, bata continência para a burguesia. Porque, finalmente, é isso o que a bandeira do Brasil representa nos atos: é a bandeira do partido da burguesia, que não tem partido.

A bandeira do Brasil é um símbolo nacional como qualquer outro, não é uma bandeira política. Levá-la para uma manifestação, a princípio, teria o mesmo significado de alguém ir fantasiado de Pikachu ou um cartaz elogiando o sabor do doce de leite. Não representa um programa, nem uma reivindicação concreta. Por que, então, aqueles que estão nas ruas deveriam reverenciar a bandeira nacional?

O fato é que a bandeira verde e amarela é muito pior do que simplesmente um símbolo desconectado dos interesses das massas. Justamente por não significar nada, a não ser um apelo abstrato ao “patriotismo”, a burguesia utiliza o verde e amarelo para descaracterizar as manifestações. É por isso que nos atos há um esquema explícito para levar o verde e amarelo para as ruas. A burguesia, como muito bem mostrou em 2013, não quer que os atos tenham um propósito definido — isto é, a derrubada do regime golpista —, mas sim que se transforme em uma farofada despolitizada.

Fernando Henrique Cardoso, Rodrigo Maia e Ciro Gomes não apareceriam nos atos de vermelho, pois já estão comprometidos com as cores do neoliberalismo. Sabem que o vermelho é a cor do PT, da CUT, do MST e do comunismo. Não só não são bem-vindos nesta cor, como, finalmente, se recusam a usar o vermelho para não ser liquidado por aqueles que de fato representam.

A bandeira do Brasil e as cores verde e amarela são um convite para que a manifestação seja sequestrada por esses oportunistas que em nada têm a ver com o movimento. No fim das contas, quando a UNE pede para bater continência para a bandeira do Brasil, está batendo continência para os “donos” da bandeira do Brasil: aqueles que, ardilosamente, se aproveitam da confusão para aparecerem como amigos do movimento.

E não é só a direita nacional quem se veste de verde e amarelo para se infiltrar nos movimentos. A extrema-direita bolsonarista foi o setor que mais utilizou a bandeira para se promover politicamente. E o motivo é óbvio: se a burguesia levanta a bandeira verde e amarela com o objetivo de baixar as bandeiras vermelhas, então a extrema-direita, cujo maior trunfo político é o ataque covarde à esquerda, é quem mais tem a ganhar.

A verdadeira campanha em torno da bandeira do Brasil não é “somos todos brasileiros e por isso vamos nos respeitar mutuamente”, como o dirigente da UNE faz crer. A verdadeira campanha é: “somos todos brasileiros e quem não for ‘patriota’ como nós deve ser eliminado”. A extrema-direita fala que “nossa bandeira jamais será vermelha”, o que, claramente, quer dizer: quem quiser colocar a luta dos trabalhadores e de todos os oprimidos como prioridade não é brasileiro e, portanto, é nosso inimigo. Deve ser tratado como um inimigo. O slogan bolsonarista “Brasil acima de tudo” vai no mesmo sentido.

A declaração da UNE sobre “bater continência” não só é clara acerca de seu conteúdo como é, até mesmo na forma, muito semelhante ao bolsonarismo. Quem bate continência é militar, que sempre bate continência para uma burocracia reacionária e golpista. Não bate para o “país”, mas para o general “fulano de tal” que diz: os capitalistas acima de tudo. Quando bate a continência, a UNE, por sua vez, diz: a bandeira do Brasil deve estar acima de tudo. O que, devidamente traduzido, quer dizer: as ruas não são da esquerda, nem da direita. Ou seja, da direita.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.