Nacionalista de Miami: Bolsonaro vai à embaixada dos EUA prestar contas

Bolsonaro e Trump

Mais uma vez, cai por terra o suposta nacionalismo do candidato “patriota”, Jair Messias Bolsonaro. O deputado federal, pré-candidato à presidente da República, que já afirmou que apoia a venda da Amazônia e da Petrobrás, foi ter um encontro na embaixada dos Estados Unidos com o embaixador norte-americano, Peter Michael McKinley.

Não se sabe bem qual foi o motivo da conversa, mas muito provavelmente trata-se do típico capachismo da burguesia brasileira. Bolsonaro foi prestar contas para seus patrões, ou melhor, foi buscar o apoio do patrão para as eleições que estão chegando, mendigando dinheiro e apoio do aparato norte-americano. Esse mesmo tipo de comportamento era feito por Temer, que frequentava a embaixada norte-americana para falar da situação política do país, como denunciou o Wikileaks.

Esse é o “nacionalismo” dos coxinhas brasileiros. Os mesmos que foram às ruas com cores verdes e amarelas e músicas patrióticas, são os mesmos que vão para paulista pedir invasão dos Estados Unidos e apoiam Jair Messias Bolsonaro, o candidato que no passado foi para os EUA e bateu continência para a bandeira americana, quer entregar nossas riquezas, capacho de Trump e ainda está negociando uma reunião com o mesmo, em busca de apoio.