Menu da Rede

Os humilhados serão exaltados

  • Capa
  • Nacional
  • Execução de Marielle pelos golpistas: ou lutamos contra o golpe ou a Globo recria junho de 2013

Execução de Marielle pelos golpistas: ou lutamos contra o golpe ou a Globo recria junho de 2013

Receba o DCO no Email

Marielle Franco foi assassinada pelas forças golpistas controladas pelos militares no Rio de Janeiro. Sua morte é parte de uma escalada repressiva contra a esquerda e contra as organizações populares, e deve ensejar atos contra o golpe e contra a intervenção militar no Estado.

A vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) foi executada pelas forças de segurança golpistas na noite da última quarta (14). Moradora da Favela da Maré, Marielle não apenas era relatora da comissão de acompanhamento da intervenção militar no Rio de Janeiro, como vinha denunciando os assassinatos do 41º Batalhão da Polícia Militar em Acari – conhecido como Batalhão da Morte. A velocidade da ação, a precisão dos quatro tiros que atingiram a vereadora na cabeça em seu carro em movimento, o uso de pistolas de 9mm – exclusivas das forças de segurança –, bem como de munição da Polícia Federal não deixam margem a dúvidas: o assassinato partiu de policiais ou militares, hoje no Rio de Janeiro comandados pelo interventor federal, o General Walter Braga.

Em meio à consternação diante da violência do ato, a esquerda pequeno-burguesa manifestou-se de acordo com a sua política habitual: confusa, personalista, evasiva, punitiva. O PSOL exigiu a investigação pela própria polícia que cometeu o crime – política seguida pelo  PT. O PSTU apressou-se em pedir “punição exemplar”  dos assassinos (executada pelo estado burguês). A depender de tais iniciativas, a esquerda acompanhará na Rede Globo os desdobramentos das investigações policiais como quem segue um folhetim – de fato, nos atos de pesar pela morte da vereadora, viam-se cartazes que indagavam Quem matou Marielle?.

Em geral, nas manifestações políticas dos setores mais institucionalizados da esquerda – como uma Sessão na Câmara dos Deputados – muito se falou sobre feminicídio e sobre genocídio da população negra, como se o acontecimento excepcional, ocorrido dentro de um golpe de estado e sob intervenção militar, fosse apenas mais um sintoma da política habitual de extermínio da população pobre brasileira. Marielle, porém, é uma líder popular, e não havia sido ameaçada de morte, o que reforça a hipótese de que sua execução visou a pressionar setores políticos próximos a ela – inclusive demais parlamentares do PSOL e da esquerda.

A morte de Marielle – mulher, negra, favelada e lésbica – de fato pressionou os setores mais sectários e confusos da esquerda, que tendem a organizar atos de rua, mas com características identitárias, difusas, e mesmo punitivas. Em sua esteira podem-se juntar os coxinhas, e é o que a imprensa golpista tenta alavancar, como em junho de 2013. E a Rede Globo, por exemplo, vem dando ampla cobertura jornalística não apenas para os aspectos policiais mas também para os atos de repúdio e revolta que tomaram o país. Tenta-se, evidentemente, repetir a estratégia de 2013, em que o moralismo de esquerda acabou por levar às ruas a extrema direita, dando origem a movimentos fascistas como o MBL. Talvez não seja por acaso que o assassinato tenha sido denunciado no plenário do Parlamento Europeu por deputados espanhóis do Podemos – partido surgido nas manifestações de 2011 de Madri.

Já a direita e os golpistas apressaram-se em atribuir o crime a “bandidos”, de modo a justificar o aumento da repressão policial e militar sobre os moradores das comunidades cariocas. Alguns chegaram ao grotesco de atribuir o assassinato ao próprio ativismo de Marielle em defesa dos direitos humanos e contra a ação das próprias Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) – defendidas por seu correligionário Marcelo Freixo.

Marielle foi executada pelas forças que levam a cabo o golpe de estado no Brasil, hoje concretizado e radicalizado no Rio de Janeiro na intervenção militar federal que controla a segurança pública do estado. Marielle se opôs à intervenção militar e foi assassinada. Mais que o extermínio de uma mulher negra de uma comunidade carioca, sua execução é parte da política golpista de perseguição, prisão, tortura e assassinato das lideranças de esquerda e ataque às organizações populares, assim como o é a iminente prisão de Lula na próxima semana. Trata-se de um sinal inequívoco do aprofundamento do regime de exceção decorrente do golpe de estado em curso. Por isso, o único foco possível de ação popular a partir da execução de Marielle é a luta contra o golpe, contra a perseguição da esquerda – incluindo a prisão de Lula – e a exigência da retirada imediata das forças militares do Rio de Janeiro.

 

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.