Crise se aprofunda
Situação se torna ainda mais grave com a pandemia de coronavírus
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
madri
Moradores de rua em Madri | Foto: Susana Vera/Reuters

Mais de dois milhões de pessoas na Espanha vivem nas ruas ou em favelas, o que as torna um grupo extremamente vulnerável à pandemia Covid-19, informou hoje a Caritas.

Sob o lema não ter uma casa mata, a organização humanitária da Igreja Católica lançou esta segunda-feira juntamente com outras entidades uma campanha por ocasião do Dia dos Sem-Teto, que se celebra no dia 25 de outubro.

Cáritas denunciou a realidade de muitas pessoas que vivem em situação de rua ou em favelas, locais insalubres e dignos para sobreviver com alguma segurança.

Para esses cidadãos, é uma utopia poder adotar as medidas preventivas decretadas pelas administrações para enfrentar o coronavírus SARS-CoV-2, causador da doença Covid-19, alertou a entidade em nota.

‘Não ter casa impede ter um lar, relações sociais normalizadas, um espaço básico de proteção, além de ter um sério impacto na saúde física e mental’, explicou Enrique Domínguez, chefe do Programa de Moradores da Caritas.

Para ele, essa situação afeta os sonhos, as oportunidades, a confiança e a saúde dessas pessoas e, portanto, seus direitos.

Além disso, em um contexto em que a habitação se tornou a primeira linha de defesa contra o vírus letal, medidas dirigidas à população para enfrentá-lo, como aumento da higiene, permanência em casa ou estrito distanciamento social, não são realistas. nem possível para quem mora na rua, ressaltou.

De acordo com Cáritas, essas dificuldades são especialmente graves em um país como a Espanha, que possui um estoque adequado de habitação social para aluguel: possui apenas cerca de 275 mil apartamentos desse tipo, apenas 1,5% do estoque principal. .

Perante o agravamento da violação deste direito humano, reclama uma lei estadual que garanta o acesso à habitação que inclua todas as situações de exclusão residencial, que tenha em consideração os sem-abrigo em particular.

Ele também insiste na necessidade de continuar com as medidas extraordinárias para impedir os despejos e despejos sem acomodação alternativa.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas