Sofrem grande repressão
País é o mais violento contra os trabalhadores; o que ocorre na Colômbia é um verdadeiro genocídio de sindicalistas e líderes sociais e camponeses
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
48091451087_8c8b329ff5_k
Presidente colombiano Iván Duque, fascista e fantoche dos EUA. Foto: Crozet / Pouteau |
Bogotá, 20 fev (Prensa Latina) Educadores colombianos iniciam hoje uma greve nacional de 48 horas para manifestar sua rejeição à violência, iniciativa convocada pela Federação de Trabalhadores da Educação (Fecode).
O presidente da Federação, Nelson Alarcón, chamou à união desta ação pela defesa da vida, da paz e da democracia, ‘contra o assassinato, ameaças, atentados a nossos dirigentes sociais, sindicais e ao magistério colombiano’.

Os educadores também demandam garantias para a profissão docente, direito à saúde com dignidade para o magistério e conseguir um financiamento adequado para a educação pública.

A respeito, Fecode apontou que a violência antissindical neste país é sistemática, seletiva, política, disciplinante e instrumental.

Uma violência na que o principal responsável é o Estado por ação e omissão. A violência antissindical tem sido instrumento de perseguição, afirmou.

Fecode é o sindicato que mais mortes sofreu no marco do conflito armado, segundo informação divulgada durante a apresentação de seu caso ante o Sistema Integral para valer, Justiça, Reparo e Garantias de Não Repetição.

O relatório ‘A vida por educar’ inclui milhares de fatos de violência de 1986 a 2016. A violência ocorre em territórios onde teve conflito armado. Não foram casos isolados, expressou Alejandra Garzón, técnica da Federação.

Segundo ele, ‘a intenção dos supostos responsáveis foi perseguir os educadores devido a seu papel sindical, pedagógico, político, social e comunitário’.

Por sua vez, Martha Alfonso, vice-presidenta da organização, destacou que lhe puseram ao relatório ‘A vida por educar’ porque ‘quando o fizemos sentimos que tinha coisas eram truncadas, mas que sempre a vida terminou por se impor. Daqui tem que renascer um sonho que convoque a todos’.

A material mostra o ataque sistemático e os crimes de lesa humanidade contra o magistério, organizado contra a Fecode e seus dirigentes sindicais, com o objetivo de calar as lutas que se deram em unidade com o povo, onde a defesa da educação pública era uma das bandeiras centrais, argumentou.

A sala de aula é um lugar sagrado da democracia, de modo que atacar o magistério pode ser visto como uma forma de atacar a formação de democracia, manifestou Gustavo Salazar, magistrado da Jurisdição Especial para a Paz.

O mencionado relatório dá ênfase no processo de vitimização, perseguição e tentativa de extermínio dos professores e professoras ativistas filiados a Fecode, refere a informação divulgada.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas