Na Argentina do desarmamento, empresário tem até granada, e o povo está desarmado

Na argentina, o empresário Alfredo Coto, dono de uma famosa cadeia de supermercados foi indiciado, juntamente com seu filho Alemão, por ser proprietário nada menos do que um legítimo arsenal de guerra. Dentre as acusações, contam: “posse ilegal de materiais explosivos”, “coleção de armas de fogo, partes e munições” e adulteração ou supressão de registro de arma.

O empresário foi responsabilizado penalmente por cometer graves delitos, tendo por consequência perdido o direito ao uso de armas, assim como sua empresa (que pode não tem permissão para uso coletivo). Ao que tudo indica, o empresário estava se preparando para uma verdadeira guerra, visto que: mais de 200 granadas, 41 projéteis de gás lacrimogêneo, 27 armas de fogo, sprays de pimenta, 3800 munições, silenciador, 14 coletes à prova de balas, 22 capacetes, entre outras coisas foram encontradas. Dentro da profusa armaria, havia inclusive armamento de uso exclusivo das forças de segurança – cujo uso é proibido para qualquer cidadão que não os integre. Diversas armas raspadas e com licenças expiradas também foram encontradas. Dentre as várias explicações dadas por Coto em suas apresentações judiciais, ele afirmou que não tinha como controlar tudo em sua empresa, que poderia haver um “excesso de confiança” nas “agências de segurança” e que, de qualquer forma, ele havia sofrido violência o que o levou a se armar.

De acordo com a resolução assinada pelo juiz federal Sebastián Ramos, Coto terá que desembolsar três milhões de pesos, além do fato de que seus crimes podem colocá-lo anos encarcerado. Na questão do arsenal bélico, por exemplo, a previsão da pena é de 4 a 10 anos de reclusão, e a adulteração da numeração, pode leva-lo ao cárcere por 3 a 8 anos. Num ensaio oral, eles poderiam implicar sentenças de conformidade efetiva. Embora tenha provas cabais, o juiz não encontrou “perigo processual para justificar suas prisões”. O magistrado apenas ordenou que notificassem a Agência Nacional de Materiais Controlados (Anmac) sobre a desqualificação de ambos para ter armas individualmente, e como um “usuário coletivo” através da empresa. Um agente da Prefeitura, Cristian Javier Oscar González, também foi processado porque parte do armamento que apareceu em Coto estava próximo dele. A inspetora, Estelita Eufrasia Herrera, será a responsável por investigar o porquê de as armas encontradas no mercado fazerem parte de uma série que vinham de um concurso na província de Buenos Aires. Vale aqui, salientar, que boa parte do armamento encontrado pertencia à Polícia Federal e à Prefeitura.

Diante dos fatos, Alfredo Coto deu distintas explicações. Uma delas foi, um “excesso de confiança” da empresa que forneceu a segurança, embora Coto possua sua própria segurança pessoal. Ao mesmo tempo, dissera que não poderia ter cometido nenhum crime, pois devido a estrutura de sua empresa, seria impossível conhecer todos os movimentos. De qualquer forma, havia armas tanto em seu nome quanto no de seu filho Alemão. Todavia, disse que certamente agentes da Prefeitura, da Polícia Federal e da Gendarmaria haviam deixado suas armas lá. Por fim argumentou que algumas armas estavam lá há pelo menos três anos por causa de “atos sérios e repetidos de violência que foram gerados contra as premissas e dependências da empresa”. Ele estava se referindo, às últimas duas décadas e às organizações sociais e aos desempregados.

Diante da crise causada pelo golpista Macri, a Argentina vem passando por um caos social que tem levado a população à exasperação máxima. Para contornar as mobilizações contra – a entrega da nação, subjugando o país ao FMI (Fundo Monetário Internacional), o lacaio presidente, tem colocado seus cães de guarda armados até os dentes para acossar a população; sobretudo a classe trabalhadora, que tem feito diversas greves. Nesse sentido, fica claro que a política do desarmamento serve apenas aos interesses da direita, que não mede esforços para esmagar a população em virtude de seus espúrios interesses de classe. Sem o direito à posse de armas – a população pode ser facilmente aniquilada pelas forças de repressão do Estado, que por sua vez – prestam serviço aos capitalistas. A política do desarmamento serve para evitar a reação popular aos ataques da direita.