Direitos das mulheres
Mulheres se revoltam com proibição do aborto na Polônia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
2319060334_7588660bc2_o
Com a extrema direita, mulheres nos países desenvolvidos perdem o direito ao aborto legal e seguro | Foto: gaelx

A ofensiva contra os direitos das mulheres tem acontecido com violência no mundo inteiro com o avanço da extrema direita.

Na Polônia, depois da subida ao governo, a direita ultra conservadora tem enfrentado a reação popular contra sua política criminosa. Desde o fim de outubro, os poloneses, em sua grande maioria mulheres, tem realizado protestos depois que o Tribunal Constitucional, reformado pelo partido ultraconservador Lei e Justiça (PiS) no poder, aprovou a proibição da interrupção da gravidez em caso de uma malformação grave do feto, julgando que é “incompatível “com a Constituição, só sendo permitido em casos de incesto e situação de perigo para a vida da mãe.

Acrescentando a essa situação, muitos outros grupos sociais têm se somado as manifestações com outras denúncias, como por exemplo a alta dos preços dos alimentos e a política do governo para a pequeno camponês.

Na capital Varsóvia, manifestantes se dirigiram em passeata para a casa do primeiro-ministro da Polônia, Jaroslaw Kaczynski, que é considerado o responsável pela decisão de proibição de aborto junto ao tribunal. Foram impedidos pela polícia que isolou a rua onde o ministro mora e que vem sendo alvo de seguidos protestos. Durante a noite agricultores em protesto a inação do governo frente a alta dos alimentos, colocou na rua um porco morto e espalhou batatas e ovos.

A crise que tem se eclodiu na Polônia e muito parecida a outras que vem ocorrendo em várias partes do globo. Os povos de diversos países vêm sofrendo com a opressão e a miséria promovida em larga escala pelo imperialismo e sua política neoliberal, que se tornou muito evidente devido a pandemia do coronavírus. Só na Polônia, que possui 38 milhões de habitantes, mais de 22 mil perderam a vida devido a contaminação.

As mulheres têm sido atingidas em cheio em suas condições de vida, são as maiores vítimas do desemprego e precarização do trabalho. Além disso tem se confrontado com as ações fascistas que visam escravizá-las novamente ao lar, se tornando seres de segunda classe, sem mesmo ter direitos sobre seus próprios corpos.

Toda a revolta dos diversos setores, somada a luta contra a proibição do aborto das mulheres, deve se organizar para alcançar as reivindicações, porém esses não se darão de modo parcial, será necessário pedir a cabeça do governo fascista polonês, sem isso nenhuma conquista será duradoura o suficiente.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas