Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Como sempre, a corda do corte de gastos vai arrebentar para o lado mais fragilizado. Na reforma da previdência a redução da diferença (em anos) que as mulheres levavam para se aposentar em relação a idade masculina, será reduzida de 5 anos a menos de trabalho, para apenas 3. Essa medida é pautada na lógica falaciosa de “equiparar os gêneros perante a lei”. Isso é um engodo pois, na prática, a mulher é bem desfavorecida no mercado de trabalho em relação ao sexo masculino. Além da realidade ainda presente da jornada dupla feminina (trabalho doméstico e trabalho fora de casa), as mulheres recebem salários menores para funções iguais a homens, são preteridas na escolha de cargos de confiança (chefia, gerencia, entre outros) e são as primeiras a serem demitidas nas “reduções de quadro” empresariais. Tudo isso resulta nas disparidades salariais medias. Enquanto a media salarial masculina é de R$2380,00, a feminina cai para R$1836,00. Fora isso, apenas 48,5% das mulheres estão empregadas (enquanto, para os homens, esse numero sobe para 75%).
Tudo isso indica, mais uma vez, que a luta feminina deve se focar na base econômica da sociedade: é a estrutura capitalista e classista que sustenta a sua exploração diária.

 Sobre o tema, fala Abella, especialista em direito previdenciário e cofundador do portal Previdenciarista: “As mulheres se aposentam mais cedo como uma forma de ‘compensação’, levando em consideração a maior dificuldade de obtenção de trabalho formal e também porque trabalham mais que os homens, já que elas agregam o trabalho doméstico ao emprego remunerado. E por mais que a última reforma da Previdência seja antiga e considerada ‘ultrapassada’, a jornada dupla das mulheres brasileiras continua acontecendo”, afirma Abella. “Não basta apenas equipararmos homens e mulheres perante uma mesma regra quando estes materialmente no plano da realidade ainda são diferentes”, completa.
Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas