Mulheres são principal alvo das agressões da extrema-direita: formar comitês de autodefesa

mm

Como verdadeira característica da extrema-direita, o ataque aos setores minoritários e majoritariamente oprimidos, é seu alvo principal. No último período de acirramento do golpe de Estado com as eleições fraudulentas, a ascensão da extrema-direita é notável, já são incontáveis casos de ataques indiscriminados pelo País. Mas especificamente, grande parte dos ataques têm sido direcionados contra mulheres.

Fica clara a demagogia da direita golpista com a luta das mulheres, que com seus setores mais obscurantistas executam os ataques mais cruéis contra as mesmas. Com os recentes casos de ataques por parte dos fascistas que se apoiam na candidatura de Jair Bolsonaro, os ataques contra mulheres é a prova material de que os fascistas não mais sentem qualquer receio de sair nas ruas para cometer agressões e promover brutais ataques contra elas.

Um dos casos, aconteceu no primeiro turno das eleições fraudulentas, uma servidora pública após a votação se dirigiu a um bar acompanhada de outro amigo e no decorrer da situação onde falava com o amigo sobre o candidato fantoche da extrema-direita, Bolsonaro, a mesma foi agredida por um grupo de três pessoas, cujo qual a agrediu brutalmente. A estratégia do grupo fascista foi o de colocar outra mulher para agredir a servidora e conter os demais no bar para não impedir a agressão.

Os casos não cessam, na semana seguinte outra mulher é agredida ao ser confundida com travesti, além do agressor declarar que a mesma seria a escória da humanidade, ao se referir aos travestis. Esse é o perfil da extrema-direita, não existe diálogo, só existe força por parte dos fascistas. A resposta contra o fascismo deve ser na mesma proporção, é na prática que se combate os fascistas, não há mais espaço para ilusões e soluções imateriais.

É preciso formar comitês de luta que organizem a autodefesa, a luta das mulheres nesse momento é a luta contra o golpe e o fascismo e o meio são os comitês mobilizados e atuando diretamente nas ruas, não deixando espaço para a extrema-direita avançar, a rua é do povo e não haverá espaço para aqueles que provem seu massacre.

Forme já um comitê: Comitês de Luta Contra o Golpe