Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Representando mais de 40% dos trabalhadores em frigoríficos, há mais de quatrocentas mil mulheres empregadas no setor, que é o setor de alimentação que mais ocupa mulheres.

Os abatedouros superam e muito esse percentual, principalmente o abate de frango.

São elas que em geral depenam o frango, que trabalham na noria retirando os frangos, que cortam as partes dos frangos e têm que tirar das coxas e peitos e cortar sete filés a cada um minuto e trinta segundos.

A “vida útil” das operárias desse setor não passa de três ou quatro anos devido ao trabalho repetitivo, a falta das devidas pausas para o descanso, o trabalho por horas de pé, o constrangimento por não poder fazer as necessidades fisiológicas, o trabalho excedente ao permitido (de oito horas diárias) etc.

Em um frigorífico, localizado no grande ABC paulista, no município de São Caetano, o Cardeal por exemplo – o constrangimento é tão grande que a funcionária, não suportando mais a vontade de ir ao banheiro, se ausentou do seu posto por alguns poucos minutos e lá dentro foi agredida por um de seus superiores.

Nessas condições, nos frigoríficos há – todos os dias – milhares de trabalhadores que se ausentam por estarem doentes e/ou se acidentarem devido às péssimas condições de trabalho.

As mulheres não podem engravidar, pois correm enorme risco de, ao retornarem da licença-maternidade, serem demitidas. Conforme índices oficiais, o percentual de demissões após a gravidez é de cerca de 50%.

Nos frigoríficos há outro dado estarrecedor, de acordo com estudo elaborado por pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina, quando comparadas a outras categorias, as gestantes que trabalham na indústria da carne desenvolvem risco 444% maior de afastarem-se do trabalho por hemorragia no início da gravidez. A pesquisa baseou-se em dados do INSS. Um dos principais motivos, segundo a pesquisa é o vazamento do gás amônia, utilizado para a conservação da carne.

O ataque às mulheres trabalhadoras está se aprofundando, principalmente com o governo golpista de Michel Temer que aprovou a reforma trabalhista, apoiada pelo conjunto dos patrões, sanguessugas do suor do trabalhador.

Para barrar os ataques dos patrões ao conjunto dos trabalhadores, tanto das mulheres quanto dos homens é necessária a organização de comitês de luta contra o golpe em todo o País, nos estados, municípios, das organizações operárias, ou seja, é preciso derrotar o golpe e todos os golpistas, bem como, todos os efeitos nefastos deste governo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas