Desigualdade de gênero
Taxa de desemprego que acomete o gênero feminino é uma espécie de volta à Idade Média
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
mulheres (1)
Com o desemprego, às mulheres resta o cuidado doméstico e a submissão | Camila Domingues/ Palácio Piratini

O desemprego no Brasil atingiu números exorbitantes, pela primeira vez mais da metade da força de trabalho está desocupada, um resultado da política agressiva dos golpistas. Mas não é só isso, das quase um milhão de demissões, um total de 65,6% é de mulheres.

É o que aponta levantamento de dados feito pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), que ilustra a parcela da população mais vulnerável e atingida pela falta de trabalho serem a das as mulheres. Quase um milhão de perdas de postos, 588,5 eram ocupados por mulheres no início do ano, somando um total de 65,6% de demitidas.

A crise econômica sem precedentes, somada a contaminação do coronavírus fez a situação se deteriorar. Só este ano, com o isolamento social, a entrega de recursos nacionais, a destruição da indústria e a crise de pequenos negócios, 892,2 mil trabalhadores perderam o emprego entre março e setembro.

Os homens também foram atingidos pela situação, mas somam 34,4% dos demitidos esse ano, além de ocuparem a maioria dos postos de trabalho com carteira assinada.

O início do ano, nos meses de janeiro e fevereiro, quando o país ainda não havia sido atingido pela pandemia, e se apontava saldo positivo no número de criação de vagas de trabalho para homens e mulheres, o número de vagas para as mulheres era inferior à dos homens, representando 81% do resultado líquido negativo do Caged em 2020.

Não é por acaso que a situação se apresenta dessa forma para as trabalhadoras brasileiras. Desde o golpe de 2016 e ascensão da extrema direita, o retrocesso de direitos das mulheres é planejado, no intuito de promover o retorno às ideias medievais e prender as mulheres ao lar.

Os números apontam ainda que a maioria das mulheres que saem do trabalho tem dificuldades de se recolocarem, e agora com a destruição da CLT e do setor de pequenos serviços, área de maior atuação feminina o estrago será maior ainda. O principal dos problemas que se coloca são os cuidados doméstico e o reprodutivo, que recai todo nas costas das mulheres. Logo, mesmo que as mulheres consigam uma recolocação fica impossível conciliar nesse momento o trabalho doméstico com trabalho fora de casa.

Nesta situação em que foram colocados pela política de terra arrasada do neoliberalismo, as mulheres caem em um novo golpe, o do empreendedorismo, que tem sido a nova forma de iludir os trabalhadores. As mulheres criam negócios em casa e tentam dar conta das demandas da dupla jornada. O Caged apontou aumento de mais de 14% no número de abertura de MEIs, totalizando mais de 10 milhões de registros.

O golpe no Brasil conseguiu nesse novo cenário jogar as mulheres de volta para a escravização do lar, e pior ainda, desenvolvendo atividades econômicas individuais em rotinas de trabalho extenuantes. Não é difícil de prever que o adoecimento das mulheres aumentará em alta escala no Brasil se essa situação não for freada.

É preciso organizar e retomar as bandeiras históricas do movimento das trabalhadoras, não se pode aceitar a subjugação. É preciso exigir condições de vida dignas, com emprego, salário igual aos dos homens, escolas e universidades de qualidade, entre muitas outras coisas, só assim as mulheres serão emancipadas realmente. E não passando o dia trancadas, cuidando das tarefas domésticas, filhos e fazendo bicos para conseguir sustentar as suas famílias.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas