Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Nesta semana, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), realizada no Rio Grande do Sul e Santa Catarina, divulgada pelo IBGE, mostrou o que, historicamente, já é um fato: o crescente, e mais elevado, índice de desemprego entre mulheres e negros, comparados aos brancos, bem como a desproporção de renda entre homens e mulheres.

Ao se tratar de desemprego, segundo dados do último trimestre de 2017, o índice de desocupação geral foi de 6,3%, sendo 5,7% entre os homens e 7,2% entre as mulheres. Esses dados já mostram claramente a opressão que as mulheres sofrem, diariamente, no sistema capitalista, sendo colocadas, das mais diversas formas, em relação de desigualdade e inferioridade.

Ainda nesta temática, pode-se visualizar claramente a diferença que também ocorre entre brancos, pardos e pretos. Também segundo os dados do IBGE, no quarto semestre de 2017, brancos afetados representam 5,5%, pardos 9,8% e negros 11,3%. Negros, segundo a mesma fonte, são compostos por pretos e pardos. Ao somarmos os dados, que isoladamente já impactam, do grupo Negros segundo IBGE, os números são alarmantes, ficando evidente que a diferença nas taxas de desemprego entre negros e brancos é grande e que, negros, assim como mulheres, são oprimidos dentro do sistema capitalista, não possuindo, em momento algum, condições semelhantes a população branca.

Além dos índices alarmantes, a evolução das taxas preocupa. Ao longo de 2017, o índice de desemprego caiu entre a população branca (de 7,1% para 5,5%). Já para população negra, segundo IBGE, as taxas crescem constantemente (de 10,2% para 11,3%).

Como citado anteriormente, as diferenças também são vistas entre negros e brancos e homens e mulheres quando o assunto é disparidade de renda. Em Santa Catarina, por exemplo, o salário médio mensal entre brancos era de 2,3 mil, enquanto entre negros a taxa é de 1,7 mil.

Entre os sexos, também há discrepâncias. Ainda seguindo exemplo do mesmo estado, as mulheres ganham quase 30% a menos do que os homens, sendo a média salarial mensal, calculada entre o período de outubro a dezembro, delas de 1,8 mil enquanto a deles era de 2,6 mil.

É importante visualizarmos que os dados foram coletados em 2017, apresentando um crescente, não apenas se comparados aos de anos anteriores, mas também durante o mesmo ano. Com o avanço do golpe, estas taxas aumentarão consideravelmente. Os interesses da burguesia são justamente opostos ao da população. Não obstante, com o golpe militar assombrando o país, negros, mulheres, periféricos, índios, etc., não apenas serão mais afetados, mas também perseguidos, oprimidos, perdendo direitos e enfrentando, diariamente, maiores dificuldades.

A luta contra o golpe já começou há tempos pelo Partido Operário. É importante uma ampla mobilização para lutarmos contra o golpe, contra a intervenção militar e seu suscetível golpe, bem como para que a população, que já perdeu tantos direitos desde a tomada ilegítima da corja de golpistas ao poder, não perca ainda mais. A luta continua. Não ao golpe! Não a intervenção militar!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas