HAMBURGUER_1
SHARE

O adeus de Mujica

Mujica se aposenta da política em meio à crise da Frente Ampla

Um adeus com gosto de capitulação diante do grande avanço, tanto da frente ampla, como também do fascismo, expresso pela coalisão da direita com a extrema-direita.

Tempo de Leitura: 2 Minutos

Mujica se despede. – https://www.contioutra.com/veja-as-10-frases-mais-marcantes-de-jose-mujica/

Publicidade

“Porque ele jogou fora o vírus, porque tenho 85 anos e tenho uma doença imunológica”, disse Mujica em relação ao coronavírus. E foi assim que ele se despediu do Senado, renunciando à sua cadeira.

Tanto Mujica quanto Julio María Sanguinetti, que também são ex-presidentes do Uruguai, renunciaram ao Senado. Isso aconteceu na sessão da terça-feira, extraordinariamente, em meio a aplausos e lágrimas.

Mujica, que vinha exercendo seu mandato no Senado desde outubro de 2019, e com término previsto para 2025, para em 2020 quando renuncia, mas trazendo na bagagem a presidência de 2015 a 2018,  o senado de 2000 e 2005 e de 2015 a 2018, além de guerrilheiro do Movimento de Libertação Nacional-Tupamaros, e 15 anos de prisão nas costas por isso. 

No ano passado, chamou a atenção uma declaração que deu sobre a Venezuela à Rádio Universal, ao afirmar que o governo da Venezuela seria uma “ditadura”. Disse ele: “é uma ditadura, sim. Com essa declaração ele mostrou um alinhamento direto com o imperialismo, cujo objetivo é derrubar Maduro e tomar o petróleo. 

Posições como essa tirada por Mujica contra a Venezuela, é que o tornam político de uma esquerda débil e mais ao centro, de colaboração com a direita, o que agrada a imprensa burguesa. Diferente dele, Nicolás Maduro é tratado como um ditador, Lula e de Cristina Kirchner, como corruptos, e também Evo e Rafael Correia.

Mujica se afasta do cenário político quando Uruguai tem no governo a presidência de Lacalle Pou, que é eleito por uma frente de coalizão entre direita e extrema-direita, que abriu espaço para o fascismo,  como é o caso do partido chamado Cabildo Abierto (CA), com características fascistas, composto por militares que formaram uma das piores ditaduras militares da América Latina.

Atualmente, a Frente Ampla venceu no último domingo a eleição para a prefeitura da capital Montevidéu, e conquistando o sétimo mandato na cidade. Mas, como acontece no Brasil, a esquerda custa a reagir, e ainda guarda a ilusão de que, para mudar a política e barrar o crescimento da extrema-direita, em vez de mobilizações de ruas e a organização da classe trabalhadora para a luta, se entrega às eleições e promessas vazias e manobras parlamentares que não mudam nada, e de nada adiante para fortalecimento da esquerda combativa e revolucionária.

Definitivamente, trata-se de um momento ímpar na história da política do Uruguai, quando a esquerda e a classe trabalhadora, derrotada pela frente ampla, vê a extrema-direita ganhar força no país, e empurrá-la morro abaixo. Sem dúvida, um momento que, em vez de pendurar as chuteiras, todo esforço na luta que se trava contra o avanço fascista vai ser pouco para evitar o pior.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Mais Lidas
[wpp range="last24h" limit="3"]
NA COTT

Trótski: vida e obra | Curso completo (35ª Universidade de Férias do PCO)

1.5K Visualizações 12/06/2021 18:28

Watch Now

Send this to a friend