O adeus de Mujica
Um adeus com gosto de capitulação diante do grande avanço, tanto da frente ampla, como também do fascismo, expresso pela coalisão da direita com a extrema-direita.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
mujica-gamba.cl_
Mujica se despede. | https://www.contioutra.com/veja-as-10-frases-mais-marcantes-de-jose-mujica/

“Porque ele jogou fora o vírus, porque tenho 85 anos e tenho uma doença imunológica”, disse Mujica em relação ao coronavírus. E foi assim que ele se despediu do Senado, renunciando à sua cadeira.

Tanto Mujica quanto Julio María Sanguinetti, que também são ex-presidentes do Uruguai, renunciaram ao Senado. Isso aconteceu na sessão da terça-feira, extraordinariamente, em meio a aplausos e lágrimas.

Mujica, que vinha exercendo seu mandato no Senado desde outubro de 2019, e com término previsto para 2025, para em 2020 quando renuncia, mas trazendo na bagagem a presidência de 2015 a 2018,  o senado de 2000 e 2005 e de 2015 a 2018, além de guerrilheiro do Movimento de Libertação Nacional-Tupamaros, e 15 anos de prisão nas costas por isso. 

No ano passado, chamou a atenção uma declaração que deu sobre a Venezuela à Rádio Universal, ao afirmar que o governo da Venezuela seria uma “ditadura”. Disse ele: “é uma ditadura, sim. Com essa declaração ele mostrou um alinhamento direto com o imperialismo, cujo objetivo é derrubar Maduro e tomar o petróleo. 

Posições como essa tirada por Mujica contra a Venezuela, é que o tornam político de uma esquerda débil e mais ao centro, de colaboração com a direita, o que agrada a imprensa burguesa. Diferente dele, Nicolás Maduro é tratado como um ditador, Lula e de Cristina Kirchner, como corruptos, e também Evo e Rafael Correia.

Mujica se afasta do cenário político quando Uruguai tem no governo a presidência de Lacalle Pou, que é eleito por uma frente de coalizão entre direita e extrema-direita, que abriu espaço para o fascismo,  como é o caso do partido chamado Cabildo Abierto (CA), com características fascistas, composto por militares que formaram uma das piores ditaduras militares da América Latina.

Atualmente, a Frente Ampla venceu no último domingo a eleição para a prefeitura da capital Montevidéu, e conquistando o sétimo mandato na cidade. Mas, como acontece no Brasil, a esquerda custa a reagir, e ainda guarda a ilusão de que, para mudar a política e barrar o crescimento da extrema-direita, em vez de mobilizações de ruas e a organização da classe trabalhadora para a luta, se entrega às eleições e promessas vazias e manobras parlamentares que não mudam nada, e de nada adiante para fortalecimento da esquerda combativa e revolucionária.

Definitivamente, trata-se de um momento ímpar na história da política do Uruguai, quando a esquerda e a classe trabalhadora, derrotada pela frente ampla, vê a extrema-direita ganhar força no país, e empurrá-la morro abaixo. Sem dúvida, um momento que, em vez de pendurar as chuteiras, todo esforço na luta que se trava contra o avanço fascista vai ser pouco para evitar o pior.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas