Nenhuma recuperação
Crise econômica continua forte, a desigualdade aumenta e as perspectivas continuam de mal a pior
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
indicadores
Indicadores econômicos só mostram parte da crise | Foto: Divulgação

A previsão média sobre a queda da economia brasileira para este ano feita pelas empresas financeiras consultadas todas as semanas pelo Banco Central para seu Boletim Focus ficou em 5%, acompanhando proximamente a estimativa do Fundo Monetário Internacional – FMI que foi de uma queda de 5,3%. Essas financeiras e bancos estão trabalhando com uma taxa de inflação maior que a da semana passada, em 2,65% e uma previsão para 2021 de 3,02% e também uma leve alta do dólar, ficando em R$ 5,35. (Contábeis, 21/10/20)

Em relatório recente, o FMI alertou para a vagarosa recuperação da economia brasileira “que pode levar tempo para que emprego, renda e pobreza voltem aos níveis anteriores à pandemia”, ao mesmo tempo em que no Brasil riscos negativos “significativos” incluem uma segunda onda da pandemia, “cicatrizes de longo prazo” de uma longa recessão e choques na confiança devido à enorme dívida pública. (UOL, 5/10/20)

Para países desenvolvidos, uma dívida maior que o PIB não é novidade e nem é visto como problema pelos órgãos financeiros do imperialismo. Mas sempre aparece como um elemento negativo para os países atrasados, os chamados “em desenvolvimento” ou “emergentes”, entre outros motivos pois é um fator que o sistema financeiro usa para aumentar a taxa de juros de empréstimos e uma forma de pressionar para que os títulos públicos tenham uma remuneração acima da média internacional. A justificativa que usam é que essas economias não inspiram confiança em sua estabilidade política e institucional.

A preocupação de banqueiros e suas instituições internacionais com os efeitos da pandemia nada tem a ver com a saúde da população. Sabem que se a pandemia se agrava em determinado país, a pressão popular para que seus governos invistam mais e promovam auxílios monetários às pessoas é tal que os governantes acabam gastando mais e isso pode significar menos dinheiro para o pagamento de juros e para transferências a bancos e grandes empresas. A preocupação deles é com o lucro e não com a vida.

Segundo levantamento do IBGE divulgado nesta quinta-feira (22), o Brasil continua com empresas fechando muito mais que abrindo pelo quinto ano consecutivo. Entre 2014 e 2018 o país perdeu 382,5 mil empresas, o que significou a perda de 2,9 milhões de empregos assalariados. Esse montante não inclui os Microempreendedores Individuais (MEI), nem instituições sem fins lucrativos. A mortalidade de empresas é muito grande no país. Só uma em quatro empresas sobrevive mais de 10 anos no Brasil. (G1, 22/10/20)

Esse quadro só confirma que a crise econômica capitalista tem início antes da pandemia e continuará depois que ela passar. O que a pandemia tem feito, segundo os vários estudos setoriais realizados, é expor elementos de fragilidade do sistema, entre eles a desigualdade extrema. O Observatório das Metrópoles, um Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) do Ministério da Ciência e Tecnologia, uma espécie de grupo de pesquisa, acaba de divulgar estudo que mostra que os mais pobres tiveram queda de 32% nos rendimentos e mais ricos, redução de 3,2%. A desigualdade aumentou e muito. Com exceção de Maceió, a desigualdade aumentou em todas as demais regiões metropolitanas. A queda no rendimento dos mais pobres foi maior em Salvador (-57,4%), João Pessoa (-50,6%) e Rio de Janeiro (-47,6%). O estudo também mostrou que o rendimento médio dos negros é 57,4% do rendimento dos brancos. (G1, 22/10/20).

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas