Fechamento de EJA em MT
Nesta quarta-feira (2), em Mato Grosso (MT), foi realizado um protesto contra o fechamento do Ceja, centro educacional que atinge 1178 alunos matriculados em Rondonópolis
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
CEJA-rondonopolis
Protesto em Rondonópolis, em frente ao Ceja | Foto: Reprodução

Nesta quarta-feira (2), em Mato Grosso (MT), foi realizado um protesto contra o fechamento do Centro Educacional de Jovens e Adultos Alfredo Marien (Ceja), centro educacional que atinge 1178 alunos matriculados, localizado em Rondonópolis, a 218km de Cuiabá. A maioria do corpo estudantil é composta de Adultos e adolescentes que tiveram que parar os estudos em algum momento e que, na Educação de Jovens e Adultos (EJA) do centro, encontraram um meio de adquirir a educação formal. O centro e suas salas de aulas também fornecem experiência valiosa aos futuros professores que estudam na Universidade Federal de Rondonópolis (UFR)

A justificação do governo do estado é a reordenação do Ceja, com a transferência e segregação dos vários alunos da EJA e os professores para outras escolas estaduais da cidade, desativando então essa unidade central. Em nota oficial, a Secretaria Estadual de Educação (Seduc), do governo Mauro Mendes (DEM) reintegra que esse reordenamento, inicialmente destruidor, significará  de alguma maneira a expansão do EJA na cidade, com a oferta dessa modalidade para três outras escolas. Não é atoa que os envolvidos se reuniram para protestar na frente do Ceja: Essa suposta expansão é uma farsa, e representa mais uma etapa do continuo ataque a educação publica não apenas no estado, mais em todo o país.

A verdadeira expansão da modalidade requereria que não só essa modalidade se expandisse para todas estas escolas, como o Ceja fosse mantido aberto e melhor financiado para atender ainda mais estudantes em necessidade e mais centros como este fossem abertos em todo o estado. O que a Seduc alega é na verdade o oposto da expansão, e faz parte de um jogo minucioso de justificativa de baixas verbas dentro do regime neoliberal do governo golpista, que enquanto existir irá fechar mais escolas. Isto é visto pela decisão da Seduc golpista de expandir essa “reorganização” para todos os 21 Cejas do estado.

O protesto é composto das categorias do EJA afetadas por essa decisão e constitui um fenômeno de caráter positivo justamente, pois mostra que os jovens trabalhadores e a comunidade escolar estão dispostas a manifestar suas reunificações principais e a se mobilizar contra o ataque à educação para jovens e adultos e pela defesa de seus interesses. Não existem eleições ou medidas jurídicas ou politicas vindas do estado burguês que irão resolver estas questões. É necessário que as categorias afetadas, principalmente a juventude e a comunidade escolar, se organizem e se mobilizem para não permitir que esse continuo ataque se manifeste, e principalmente pela pauta politica que é o fora Bolsonaro e todos os golpistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas