Luta pela Terra
O MST denunciou uma decisão liminar do Tribunal de Justiça do Mato Grosso que pretende despejar 300 pessoas do pré-assentamento Boa Esperança, localizado no município de Novo Mundo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
cap1_porteira
Acampamento do MST no Mato Grosso | Boa Esperança, localizado no município de Novo Mundo

A Comissão Pastoral da Terra (CPT) denunciou que o Tribunal de Justiça do Mato Grosso expediu uma decisão liminar de despejo em favor dos grileiros contra as famílias do Pré-Assentamento Boa Esperança, localizado no município de Novo Mundo. No local vivem cerca de 300 pessoas.

A área do pré-assentamento, que engloba a Fazenda Araúna, é questionada por organizações e movimentos sociais por pertencer à União. No texto da limitar, o desembargador responsável pelo processo alega que “é fato notório a truculência costumeiramente empreendida pelos integrantes do MST”.

Em nota, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), afirma que o desembargador expressa um preconceito contra o movimento de luta pela reforma agrária. Além disso, denuncia que o golpe de Estado de 2016 resultou no aumento de processos de despejo e reintegração de posse, ancorados em uma concepção fascista que visa manter os privilégios do sistema escravocrata, do agronegócio e dos grileiros.

As acusações de truculência são respondidas a altura pela direção estadual do MST-MT: “A in-Justiça de MT poderia nos dizer quantos escravocratas empresários grileiros do agronegócio foram assassinados em MT nos últimos 30 anos? Também poderia nos dizer quantos sem-terra, posseiros, indígenas, quilombolas, ribeirinhos foram assassinados/as em sua luta pela sobrevivência em suas terras? Assim, por estes números, teríamos mais condições de dizer quem se utiliza da “truculência costumeira empreendida” em MT.”

Na decisão liminar, o Tribunal de Justiça do MT tem por objetivo favorecer os grileiros e expulsar as famílias que lutam pela terra da fazenda Araúna.  Com a chegada ao poder pela extrema-direita bolsonarista, o que se visualiza é uma ofensiva das instituições do Estado contra os movimentos de luta pela terra, indígenas e quilombolas. O MST está sendo duramente perseguido pelas forças de repressão e são dezenas de militantes e assentados assassinados.

O que fica evidente é a disposição, por parte do poder judiciário, de criminalizar o movimento de luta pela terra. O desembargador citar o MST como o responsável pela violência no campo é uma forma de criar um pretexto para avançar neste sentido. Nada se fala sobre as milícias e os pistoleiros responsáveis por inúmeros ataques aos assentamentos e acampamentos, tampouco se fala das agressões da Polícia Militar.

É preciso mobilizar os partidos de esquerda, os movimentos sociais, o MST, a CPT e todas as organizações democráticas e populares para defender os assentamentos contra a ofensiva da extrema-direita fascista que controla o aparelho de Estado.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas