Descaso do Estado
Coronavírus chega nas aldeias indígenas, e revela todo descaso que as autoridades públicas tem com este povo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
AU
Reserva indígena em Dourados - MS | Foto: Reprodução

Para se ter acesso ao elemento mais básico, para a prevenção de infecção pelo novo coronavírus – água – os moradores das aldeias indígenas da cidade de Dourados – MS – precisam viver uma verdadeira odisséia, para ter acesso a este item tão básico, mas que é tão necessário, principalmente nos tempos atuais.

Com um aumento de mais de 200% de casos de coronavírus em Dourados, e já atingindo 36 moradores das aldeias, a água para os moradores das reservas indígenas se tornou um verdadeiro artigo de luxo, deixando claro, a carência e a falta de investimento público, para a população indígena. Por falta de uma política pública que atenda a todos, mulheres e crianças chegam a caminhar quase dois quilômetros em busca da água do córrego Yju Mirim (pequena água amarela). Quem não tem carroça e nem carriola, é obrigado a carregar os galões nas costas. Um problema que já existe há anos, e os moradores estão começando a pagar o preço, pela desassistência do poder público. A realidade desses moradores chega a ser tão desumana, que tem pessoas que precisam escolher entre tomar banho e cozinhar.

Um dos moradores da aldeia, relata que ele e sua família, estão bebendo água contaminada há tanto tempo, que já perderam as contas. Revela também que a água que bebem, tem como origem, o mesmo córrego que sua mulher usa para lavar as roupas.

Além do problema de abastecimento de água, os moradores estão confinados e com limitações de atendimento dos profissionais que atuam nas aldeias, por falta de equipamento de proteção individual, e denunciam que até o presente momento, não receberam máscaras e álcool gel da Funai, nem da Sesai (Secretaria de Saúde Indígena).
Outro problema enfrentado pelas comunidades indígenas, é a questão do isolamento, uma vez que, as famílias são numerosas, e as tekonas (casas), são pequenas. O espaço abriga crianças, idosos, mulheres e homens, muitas vezes em um cômodo só, não dando a opção para o isolamento tão recomendado pelo mídia burguesa. A política de toque de recolher – já implementada na cidade – ou até mesmo o lockdown, não passa de uma farsa, para dar a impressão de que algo é feito para o povo. Esse tipo de medida, atende apenas a classe média e a burguesia.
A realidade, é que as medidas adotadas pelas autoridades, não atendem essa população, como não atende a nenhuma comunidade carente do país.

Os indígenas já sofrem com o gravíssimo problema do roubo de suas terras para grandes latifundiários e donos de garimpos, sempre foram esquecidos e descriminalizados pela burguesia branca, tem a sua cultura afrontada a todo o momento, e agora, pagam mais um preço altíssimo pela omissão de seus governantes.

O pavor toma conta da comunidade, que está totalmente desamparada e com muita dificuldade de seguir com as recomendações básicas para a prevenção do vírus. É mais um caso, onde precisa ser levantado um movimento de luta, uma vez que os existentes abandonaram os indígenas e o governo nunca amparou. É necessário a criação de conselhos populares, para obter os itens básicos, como a canalização de água, alimentação, medicamento e outras medidas necessárias para conter o avanço da contaminação pelo vírus.

Não existe outra alternativa, que não seja a mobilização do povo, de forma organizada para combater este massacre provocado pela doença e omissão do governo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas