Fora Bolsonaro!
Um pequeno, mas importante passo. É hora de intensificar as mobilizações nas ruas pelo Fora Bolsonaro e pelo Fim da PM
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Impeachmet-Bolsonaro
Militantes e ativistas do Movimento Negro realizaram um ato em Brasília nesta quarta-feira,12 | Foto: Reprodução

Organizações ligadas ao movimento negro entregaram nesta quarta-feira, 12 de agosto, um pedido de impeachment contra o atual presidente golpista, Jair Bolsonaro. Este já é o 56° pedido de afastamento de Bolsonaro encaminhado à Câmara. Visto como um aliado por vários setores da esquerda que defendem a chamada “frente ampla”, o presidente golpista da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, declarou que “não há qualquer embasamento para a abertura do processo contra o atual presidente”.

No texto elaborado pelas organizações do movimento negro são citados por exemplo, a banalização de Bolsonaro em relação à pandemia do coronavírus. O presidente ilegítimo chegou a declarar: “E daí?” quando o Brasil atingira a cifra de 7000 mortos pela doença. Do mesmo modo, quando país chegou à marca macabra de 100 mil mortos, Bolsonaro disse que era necessário “tocar a vida”.

São destacados também os crimes de responsabilidade de Bolsonaro, o qual atacou o isolamento social e saiu várias vezes sem máscara para cumprimentar apoiadores.

A ação do movimento negro é legitima e representa um passo, ainda que pequeno na atual situação, na direção da derrubada do governo golpista de Bolsonaro. No mês de maio, o PT e outras organizações de esquerda também entregaram um pedido de impeachment unificado na Câmara.

É preciso destacar também que pela primeira vez na história o movimento negro apresenta um pedido de impeachment contra um presidente.

A chamada Coalizão Negra por Direitos conta com 600 entidades e instituições de todo o país, além do apoio de intelectuais e artistas como Rapin Hood, Emicida, Sueli Carneiro, Douglas Belchior, Chico Buarque, o cineasta Fernando Meirelles, entre outros.

Após esta etapa importante, é necessário agora aprofundar a luta pela derrubada do governo golpista nas ruas, além da defesa da vida do povo negro, contra o coronavírus e contra a violência policial.

Mesmo o país estando sob a pandemia, e mesmo com as medidas de isolamento social que diminuíram a circulação de pessoas, a Polícia Militar bateu recordes de número de mortos em todo o país. Exemplo disso foi a PM de São Paulo, a qual bateu um recorde histórico de pessoas assassinadas nos primeiros meses do semestre anterior.

Todos os dias algum caso de morte provocada pela PM ocorre, como por exemplo, o caso do jovem Rogério Junior, de apenas 19 anos, morto pela polícia enquanto andava de moto, no bairro de Sacomã em São Paulo, para comemorar seu aniversário.

É preciso, portanto, levantar um programa de reivindicações do povo preto, ou seja, defender o Fim da Polícia Militar e a organização dos Comitês de Auto-defesa, para responder à altura à violência policial e também às provocações da extrema-direita contra os negros.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas