Movimento Estudantil
O movimento Estudantes Pela Liberdade (EFL) é uma organização financiada pelo imperialismo americano para infiltração estrangeira no movimento estudantil brasileiro.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
unnamed
Logomarca de uma organização da direita. |

O movimento Estudantes pela Liberdade (Estudents For Liberty -EFL) anunciou que está em processo de recrutamento de jovens em Alagoas. Segundo o sítio da entidade sediada em Arlington (Virgínia/EUA), o objetivo é angariar estudantes de graduação e pós-graduação e formá-los na perspectiva de defender as “ideias de liberdade”, na filosofia do liberalismo clássico, com a promoção de eventos, cursos, encontros e formação de núcleos.

O EFL se afirma como uma organização apartidária e quer alcançar os estudantes que não se sentem representados pelo movimento estudantil nas universidades. De acordo com dados divulgados em seu sítio, o movimento já elegeu 7 membros para cargos políticos, 45 ONGs já foram criadas por seus alunos e conta com 332 lideranças treinadas em todo o país.

A organização do movimento é definida como uma rede de estudantes pró-liberdade, sem uma estrutura hierárquica definida. O EFL englobaria um amplo leque de grupos, como filiados do Jovens Americanos pela Liberdade (Young Americans for Liberty), a EFL do Brasil, coletivos de faculdades, clubes de debates e grupos de estudo da Escola Austríaca de Economia, a escola de economia do neoliberalismo fundada por Friedrich Hayek.  Os princípios que o EFL diz defender são três: liberdade econômica, liberdade individual e liberdade acadêmica.

O Estudantes pela Liberdade é uma organização financiada e estruturada para a infiltração estrangeira no movimento estudantil brasileiro. Trata-se de uma maneira de o imperialismo, sobretudo o americano, estender seus tentáculos à juventude estudantil e conquistar terreno para as ideias do neoliberalismo no interior das universidades.

Este movimento apresenta diversas semelhanças com o Movimento Brasil Livre (MBL), que também é financiado pelo imperialismo americano e busca se organizar no interior das universidades para difundir um programa neoliberal para o país. Todos estes movimentos criados pela direita se declaram “apartidários”, mas tem inúmeros vínculos com partidos burgueses e organizações internacionais. Os membros do MBL, que se declaravam como apartidários, se alçaram a cargos políticos pelos partidos Democratas (DEM) e Partido Social Liberal (PSL).

O movimento estudantil não deve permitir a infiltração desses grupos financiados pelo imperialismo nas universidades. É preciso mobilizar os estudantes e expulsá-los, uma vez que defendem a privatização do ensino público, a submissão do país aos interesses dos Estados Unidos, a presença da Polícia Militar nos campus, a intimidação e perseguição de professores e estudantes de esquerda, o banimento das organizações estudantis e os partidos de esquerda e a cassação dos direitos democráticos de liberdade de expressão e manifestação.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas