Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
mourao
|

Na última semana, o vice-presidente do Brasil, o general Hamilton Mourão, eleito por meio de uma gigantesca fraude, cedeu uma entrevista à agência de notícias Reuters. Na entrevista, Mourão falou da crise mais recente do governo Bolsonaro, que está centrada nas acusações em torno do secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebbiano.

A postura do general Mourão na entrevista à Reuters deixa claro que seu cargo de vice-presidente não o coloca em posição inferior à do presidente golpista Jair Bolsonaro. Na verdade, Mourão deixa claro que quem “dá as cartas” é ele: “o que ocorre é que compete ao presidente chamar os filhos e dizer: ‘olha, fulano atua no Senado, sicrano na Câmara dos Deputados e o outro na Câmara de Vereadores. Façam lá esse trabalho de apoio às ideias do governo'”.

Para o general, era hora de Bolsonaro “dar uma ordem unificada às crianças”, isto é, o comando para colocá-los na linha.

Esse tipo de conselho, no entanto, tem se tornado cada vez mais frequente. À agência de notícias Bloomberg, Mourão declarou recentemente: “diz a velha prática que roupa suja a gente lava no tanque da casa e não da casa dos outros. Esta crise está ligada às denúncias em relação aos gastos de campanha do PSL e a um certo protagonismo do filho do presidente que, no afã de defender o pai, interferiu levando as discussões e debates em rede social que acabam sendo de domínio público, o que não é bom”.

Em matéria publicada ontem pelo Portal G1, o general Mourão afirmou: “eu acho que se o presidente quisesse o Carlos no Palácio do Planalto, ele teria nomeado ele lá”, fazendo alusão ao filho do presidente golpista, Carlos Bolsonaro. Já na entrevista dada à agência Reuters, o general disse: “eu acho que ficou chato essa discussão via imprensa”, fazendo referência às declarações de Carlos Bolsonaro pelas redes sociais sobre o caso Bebbiano.

Em novembro de 2018, Carlos Bolsonaro havia dito que a morte de seu pai interessaria “aos que estão muito perto”, isto é, aos seus aliados. Carlos Bolsonaro não revelou quem seriam esses aliados interessados na queda de Jair Bolsonaro, mas é possível que estivesse falando do próprio vice-presidente Hamilton Mourão.

Mourão foi colocado como vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro para garantir que os interesses dos setores mais predominantes da burguesia sejam satisfeitos. Se Bolsonaro é um político de carreira tortuosa e dono de uma estratégia confusa, Mourão representa a alta cúpula das Forças Armadas. É, portanto, o porta-voz dos interesses do imperialismo e do mais importante aparato de repressão brasileiro.

As declarações de Mourão à Reuters só reforçam o fato de que o governo Bolsonaro, que é um governo improvisado, se encontra em crise. É necessário que os trabalhadores e os setores democráticos intervenham decididamente na situação política, lutando pela derrubada imediata de Bolsonaro e todos aqueles que compõem o regime político golpista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas