Milicos não querem
População deve sair às ruas para impedir qualquer movimentação dos militares
SP - GENERAL-MOURÃO-ABIMAQ - GERAL - O general Hamilton Mourão, vice na chapa do candidato Jair Bolsonaro participa de encontro com presidenciáveis, na sede da ABIMAQ, localizada na Avenida Jabaquara, em São Paulo (SP), nesta quinta-feira (20). 20/09/2018 - Foto: RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Mourão é um dos generais mais golpistas do País. Foto: Jeso Carneiro |

Da redação – O general e vice-presidente da República, Hamilton Mourão Filho, declarou em seu perfil no Twitter que o Supremo Tribunal Federal (STF) desrespeitou o “Estado Democrático de Direito” ao aprovar, por 6 votos a 5, a prisão somente após trânsito em julgado, logicamente ameaçando a Corte por possibilitar a liberdade do ex-presidente Lula, como manda a Constituição.

“O Estado de Direito é um dos pilares de nossa civilização, assegurando que a Lei seja aplicada igualmente a todos. Mas, hoje, dia 8 de novembro de 2019, cabe perguntar: onde está o Estado de Direito no Brasil? Ao sabor da política?”, escreveu o fascista.

Trata-se de uma clara ameaça, não apenas uma crítica, do general. Demonstra que os militares começam a se movimentar, ao menos nos bastidores, contra a liberdade de Lula, mais uma vez. Ainda hoje, o general Girão, que é deputado federal pelo Rio Grande do Norte, postou um vídeo em sua conta no Twitter chamando de “decisão lamentável” a do STF e já adiantou que a extrema-direita vai propor uma PEC no Congresso para que haja a prisão em 2ª instância e, em alguns casos, logo em 1ª instância.

É preciso que a população saia às ruas imediatamente para garantir a liberdade de Lula e seus direitos políticos, e também para impedir qualquer tipo de golpe dos militares. Caso contrário, eles têm o poder de, novamente, como já fizeram em outras oportunidades, ameaçar todas as instituições do Estado e manter Lula na cadeia ilegalmente.

Relacionadas