Moscou tem museu interativo de fliperamas soviéticos

museu sovietico

Na época da URSS, os soviéticos desenvolviam seus próprios jogos de fliperama (conhecidos lá fora como “jogos de arcadas”), sem importar nada e proporcionando diversão e alegria para crianças e adultos. As máquinas daqueles tempos saudosos estão hoje reunidas em um museu (na verdade, dois, pois museu original, de Moscou, tem agora uma filial em São Petersburgo) e podem ser revistas e, as que ainda funcionam, estão à disposição dos nostálgicos.

Tudo começou em 1971, com uma exposição internacional de máquinas de fliperama nos parques Gorky e Izmailovo, em Moscou, que recebeu cerca de 20 mil visitantes por dia.

A partir de 1975, as máquinas começaram a se popularizar e os russos criaram jogos próprios. Alguns, baseados em contos de fada, como a Repka (The Turnip – “O Nabo”) e a Konyok Gorbunok (The Little Humpbacked Horse – “O Cavalinho Corcunda). Então, o Ministério da Cultura da URSS autorizou a reprodução de jogos americanos e japoneses. Surgiram, então, mais de 100 tipos de jogos diferentes na União Soviética.

O museu reúne mais de 60 desses jogos raros da época de plena Guerra Fria. O ingresso custa menos de 35 reais e inclui 15 moedas (que servem como as antigas fichas daqui) soviéticas para o visitante jogar nas máquinas do museu. As máquinas têm instruções de como jogar em russo, mas o museu também distribui folhetos com traduções.

O Museu do Arcade, em Moscou, surgiu em 2007, por causa de uma paixão de três amigos por jogos de fliperama. O primeiro jogo que o trio comprou foi um específico sobre batalha naval, chamado Morskoi Boi.  Depois dessa, acharam mais 10 máquinas de fliperama dos tempos da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. E não pararam mais. Virou uma paixão.

Em Moscou, o museu fica no centro da cidade, próximo ao teatro Bolshoi. Em 2013, os sócios abriram outra unidade em São Petersburgo.