Adiar não, cancelar
Morte de diretor do Inepimpulsionou as pressões contra a realização do exame em meio a pandemia, com pedidos á justiça pelo adiamento do ENEM pela Defensoria Publica.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
general carlos PINTAO
Carlos Roberto Pinto de Souza, 59, morreu nesta segunda. | Foto: Reprodução

O diretor de Avaliação da Educação Básica do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), general Carlos Roberto Pinto de Souza, morreu nesta segunda-feira (11) com 59 de Covid-19. O burocrata do Exercito brasileiro foi responsável por sistemas de elitização do exame mais antidemocrático do pais, o ENEM, tornando-o disponível também por meio digital, e entre outros ataques aos estudantes e professores. A morte do diretor também impulsionou as pressões contra a realização do exame em meio a pandemia, com pedidos para a justiça inerte de adiamento da prova por instituições como a Defensoria Pública. O cronograma, por enquanto, se mantém o mesmo, e prova terá início neste domingo (17).

Segundo nota divulgada pelo MEC (Ministério da Educação), o general “participou ativamente da concepção do Enem Digital [Exame Nacional do Ensino Médio] e do Novo Saeb [Sistema de Avaliação da Educação Básica], principal projeto a que se dedicava nos últimos meses (…) A presidência do Inep, em nome de todos os seus colaboradores, agradece o trabalho desempenhado com dedicação, entusiasmo, responsabilidade e senso ético pelo diretor Carlos Roberto. Seu nome estará registrado na história do Inep”, disse o Inep sobre a morte do militar.

Mesmo com a disponibilidade de meios para tratamento do Covid-19 dos quais dispõem os generais, meios estes que claramente não estão acessíveis a imensa maioria dos alunos que farão o ENEM este ano, frente a uma pandemia feroz, burocratas da direita ainda procuram realizar as demandas da burguesia, iniciando a volta as aulas e o período de vestibulares independente dos custos da vida dos estudantes, funcionários e professores. A realização deste ENEM, apimentado pelo “excelentíssimo trabalho do general Carlos Roberto Pinto” continua sendo uma grave ameaça aos estudantes e seus familiares.

Contra esta medida genocida em meio a um surto do novo coronavírus, vale ressaltar que durante o ano de 2020  não houve um ano escolar significativo, fato este que é reconhecido, inclusive, pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) ao propor a extensão do ano escolar a 2021, também expandindo a farsa do EAD, com horríveis condições de ensino que nem é acessível a maioria do corpo estudantil brasileiro. Concretamente, isto significa que os estudantes oriundos da classe trabalhadora, que já possuem uma desvantagem enorme em relação aos estudantes pequeno-burgueses e burgueses, só se prejudicarão com a ocorrência desta prova em janeiro, dadas as condições mais desiguais do que a norma brasileira trazidas pela pandemia. E em cima disto vem as mídias tradicionais da burguesia, que procuram acima de tudo alimentar a pressão para a retomada das aulas com artigos e matérias sobre como “o povo brasileiro aprendeu tão pouco”.

A organização dos estudantes e professores contra a volta as aulas é a alternativa mais correta para se defender contra estes ataques da extrema-direita genocida contra o povo. Não se devem alimentar ilusões, estas políticas e movimentações agem contra os estudantes e demais setores da comunidade escolar (pais, funcionários e professores), e não passa de uma articulação que pretende promover um genocídio da juventude em escala nacional. Não é do interesse das categorias estudantis aceitar ou corroborar com a reabertura das escolas, com a legitimação do calendário escolar esdrúxulo do ano passado e muito menos com a realização ou adiamento destes exames. Por meio legislativo ou eleitoral não será possível conter a ofensiva da direita e da burguesia. A tarefa para a juventude já foi posta, e não há outra saída: é necessário lutar pela suspensão do calendário escolar e dos exames vestibular até o fim da pandemia e a vacinação dos estudantes.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas