Cultura
Com suspeita de COVID-19, morreu cartunista que iniciou sua carreira na imprensa trabalhando no jornal “Movimento”, importante órgão de oposição à ditadura militar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
liberati
Cartunista Bruno Liberati | Foto: Reprodução

O cartunista, ilustrador e desenhista gráfico Bruno Liberati faleceu faleceu na manhã desta sexta-feira (26), aos 71 anos, no Rio de Janeiro. A causa da morte ainda não foi divulgada, mas segundo relatos há a suspeita de Covid-19.

Liberati passou por alguns dos principais órgãos da impressão burguesa no Brasil, como o Jornal do Brasil, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde e as revistas Visão e Veja Rio. No entanto, começou sua trajetória no mundo das ilustrações ainda no período da ditadura militar (1964-1985), trabalhando na chamada “imprensa alternativa”, isto é, a imprensa que fazia oposição à ditadura.

Graduou-se em 1973, em Ciências Políticas e Sociais na Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Exerceu,
durante cinco anos da década de 1970, os cargos de assessor comunitário e técnico em comunicação social
numa fundação que operava em bairros periféricos e favelas.

Foi justamente nessa época que passou a desenhar na imprensa de oposição ao regime ditatorial. Juntou-se à equipe do jornal “Movimento”, um dos principais órgãos da imprensa de esquerda no país durante esse período, ao lado de “O Pasquim” e “Opinião”. 

O “Movimento” circulou regularmente até 1980, quando começaram a ocorrer ameaças e atentados, por parte de setores da extrema direita, contra bancas de jornal em São Paulo, Londrina, Rio de Janeiro, Goiânia e Salvador. Os elementos fascistas acusavam os jornaleiros de fazerem “propaganda do comunismo” pois vendiam jornais da imprensa alternativa. Chegaram, inclusive, a elaborar uma “lista negra” na qual elencavam os alvos a serem exterminados — o jornal Movimento figurava nela. Incêndios de várias bancas de jornal acabaram por aterrorizar os jornaleiros, obrigando-os a deixar de vender os jornais alternativos e assim determinando o fim da sua circulação. O Movimento deixou de existir em 1981.

Já no final dos anos de 1970, o cartunista ingressou no Jornal do Brasil, atuando como jornalista ilustrador. Durante
33 anos exerceu cargos de subeditor de arte, ilustrador e chargista. Paralelamente escreveu diversas resenhas de
livros, críticas de filmes e crônicas publicadas nos diversos cadernos do jornal
. Em 1995, publicou o livro “Era uma vez um Brasil: história espremida de Cabral a FHC”.

 

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas