O “flecha negra” deixa o mundo
Escurinho foi um dos grandes nomes do clube carioca, jogou na equipe entre os anos de 1954 e 1964, foram 490 partidas e 111 gols com a camisa do Flu
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
escurinho-idolo-do-fluminense-1607795840969_v2_450x600
Escurinho (Benedito Custódio Ferreira), ídolo da torcida do Fluminense | Foto: Repordução

Aos 90 anos, ídolo da torcida do Fluminense, Escurinho deixou o mundo neste último sábado (12). O “flecha negra”, como ficou conhecido, foi um dos grandes nomes do clube carioca, jogou na equipe por 10 anos, atuando em 490 jogos e fazendo 111 gols neste período. Benedito Custódio Ferreira foi mais um negro que deixou sua marca no futebol, um dos nomes que marcam a superação no contexto racista do esporte. 

Em 1949, Escurinho começou a atuar profissionalmente na equipe de sua cidade natal (Nova Lima/MG). No Villa Nova Atlético Clube foi campeão mineiro em 1951, sua atuação termina em 1954 quando vai para o Fluminense. No clube das Laranjeiras permaneceu no período compreendido entre os anos de 1954 e 1964, está na lista dos dez jogadores que mais fizeram gols sendo o quinto que mais jogou com a camisa do Flu. 

O jogador do tricolor carioca foi chamado de “flecha negra” por sua grande velocidade, dizia-se que era tão veloz que muitas vezes deixava a bola para trás tendo que voltar para buscá-la. Atuava como ponta esquerda, uma espécie de atacante que busca abrir a defesa adversária pelos lados do campo (neste caso lateral esquerda) e que avança rapidamente nos contra-ataques pelo flanco do campo. 

No Fluminense, conquistou dois campeonatos cariocas em 1959, no qual fez o segundo gol contra o Madureira que decretou o título, e de 1964; também dois torneios Rio-São Paulo em 1957 e 1960. O ídolo do Fluminense foi fonte de inspiração para outros grandes jogadores que também se tornaram ídolos do clube carioca como Assis, o falecido zagueiro negro, que conquistou quatro campeonatos carioca e um brasileiro, era declaradamente admirador de Escurinho. 

Na seleção do Brasil, marcou gol e conquistou as taças Bernardo O’Higgins e Oswaldo Cruz (ambas em 1955). Depois de jogar pela equipe do Rio de Janeiro, foi para Colômbia onde jogou pelo Atlético Junior de Barranquila de 1965 a 1966. De volta ao Brasil, jogou na grande Portuguesa (SP) entre os anos de 1967 e 1969. Em 1970, encerrou a carreira no futebol pela equipe Bonsucesso (RJ). 

Escurinho trabalhou como taxista até 2006 no Rio de Janeiro. Portador de alzheimer, se encontrava internado e sua morte aconteceu em decorrência da falência múltipla de seus órgãos.         

Cada homem negro que entra para história do futebol, em especial, de clubes como Fluminense representa uma vitória sobre o preconceito racial dos seus dirigentes, que, assim como os do Flamengo e Botafogo, depois da conquista do Campeonato Carioca de 1923 pelo Vasco da Gama com um time de negros, abandonaram a Liga Metropolitana e fundaram a Associação Metropolitana que condicionava a participação da nova equipe campeã à dispensa de 12 jogadores negros.

A superioridade técnica dos jogadores negros prevaleceu à vontade das direções racistas, a realidade objetiva se impôs de maneira incontestável. Os clubes não puderam resistir em ter no elenco de suas equipes àqueles que revolucionariam o maior esporte de massas do mundo e fariam do futebol brasileiro o maior do planeta.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas