Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
|

Faleceu na cidade de São Paulo, na última quarta-feira, dia 30, o jornalista Audálio Dantas, vítima de um câncer que enfrentava desde 2015 e, segundo amigos, vítima do desgosto diante da ofensiva golpista que assola o país nos últimos anos.

Audálio Dantas nasceu em 8 de julho de 1929, na cidade de Tanque D’Arca (AL). Reconhecido internacionalmente pela sua luta pelos Direitos Humanos, Audálio foi um dos jornalistas a denunciar o assassinato do colega de profissão Vladmir Herzog nos porões do DOI-CODI, desmentindo a farsa apregoada pelos militares de que ele havia se suicidado.

Audálio presidiu o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo de 1975 a 1978, onde se destacou pelo combate à ditadura militar e à censura. Iniciou sua carreira jornalística no extinto Folha de Manhã e teve passagens pelas revistas O Cruzeiro, Quatro Rodas, Realidade e Veja.

O jornalista também foi o autor de biografias como Graciliano Ramos, Menino Lula e As Duas Guerras de Vlado Herzog: da perseguição nazista na Europa à morte sob tortura no Brasil. Além destes livros, foi responsável pela publicação do livro Quarto de Despejo, escrito por Carolina Maria de Jesus, cujos diários retratavam a dura vida desta mulher pobre, negra e favelada, que sobrevivia catando lixo na cidade de São Paulo.

Em homenagem a Audálio Dantas, o Instituto Vladimir Herzog publicou um texto, que pode ser acessado pelo seguinte link:

http://vladimirherzog.org/um-cidadao-contra-a-barbarie/

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas