Após amotinamento de policiais
Cada ação da Força Nacional é um treinamento de repressão contra o conjunto da população, especialmente os pobres e os movimentos sociais, por isso deve ser absolutamente rechaçada
9698537851_acd3ff1ada_k
Tropas servirão para reprimir os cearenses por pelo menos 30 dias. Foto: André Gustavo Stumpf |
9698537851_acd3ff1ada_k
Tropas servirão para reprimir os cearenses por pelo menos 30 dias. Foto: André Gustavo Stumpf |

Da redação – Sérgio Moro, o ministro fascista da Justiça e Segurança Pública, autorizou, na manhã desta quinta-feira (20), o envio de tropas da Força Nacional de Segurança para o estado do Ceará, após o amotinamento dos policiais militares e bombeiros em várias cidades, cujo episódio principal foi o ferimento a bala do senador Cid Gomes, na tarde de ontem.

Os soldados chagarão ainda hoje no Ceará, para preencherem o vácuo gerado pela paralisação dos policiais cearenses.

Deste modo, caracteriza-se mais uma intervenção militar por parte da Força Nacional no Ceará, que já foi enviada em outubro do ano passado. Outros estados também já foram invadidos – após pedido dos governadores – por esse órgão de repressão, como, por exemplo, o Rio de Janeiro, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Maranhão. Desde o avanço golpista da direita, particularmente a partir do impeachment de Dilma Rousseff, a Força Nacional tem sido cada vez mais acionada.

Trata-se, na verdade, de operações no âmbito do impulso militarista sobre o Estado brasileiro, cada vez mais refém dos generais da extrema-direita, adoradores da ditadura de tipo fascista que vigorou no País entre 1964 e 1985.

Cada ação da Força Nacional é um treinamento de repressão contra o conjunto da população, especialmente os pobres e os movimentos sociais, por isso deve ser absolutamente rechaçada pelos trabalhadores.

Relacionadas
Send this to a friend