Moro e Moraes fundem pacotes anticrime: mais gente na cadeia e licença para militares matarem

O atual ministro da Justiça, golpista, Sérgio Moro, juntamente com o ministro tucano e fascista do STF, Alexandre de Moraes, se articularam para fundir as chamadas propostas anticrime, defendidas por ambos. A articulação de Moro e Moraes com o objetivo de aumentar as penas, a violência policial, suprimir garantias legais, como a prisão em segunda instância, por exemplo, permitir que os policiais matem de maneira indiscriminada e saiam totalmente impunes, como prevê a nova legislação defendida por Moro, são demonstração da verdadeira ditadura que se impõe no país.

Tanto Moraes quanto Moro são representantes diretos da extrema-direita fascista. Moraes, quando secretário de Justiça do governo tucano de Alckimin em São Paulo, autorizou inúmeras barbaridades da policia contra a população. Permitiu que a policia reprimisse de maneira violenta as manifestações de estudantes e professores, era e é um ferrenho defensor da violência policial instrumento de controle do estado.

Moro tem em suas costas a destruição de praticamente todos os direitos e garantias individuais perante o estado. A prisão sem provas de Lula, em segunda instância, com base em delações, que são verdadeiras torturas políticas, são alguns exemplo dos “feitos” do ministro da justiça fascista.

O acordo entre Moro, ligado ao governo ilegítimo de Bolsonaro, e Moraes que tem ligação com o PSDB, representa o acordo entre os diferentes setores da direita e da extrema-direita com o único objetivo: reprimir de maneira generalizada a população brasileira.

Trata-se de uma ameaça que vêm se concretizando aos poucos, com prisões arbitrárias, chacinas policiais nas periferias, retirada de direitos, etc. A resposta tem que ser imediata e deve ser dada pela mobilização popular. É preciso lutar pela derrubada de todo o regime golpista. Levantar as palavras de ordem de Fora Bolsonaro e todos os golpistas!