Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
moro
|

Novas revelações do blog Intercept provou tudo aquilo que já se sabia sobre as delações do ex-ministro Antônio Palocci: um amontoado de historietas forjadas pela Lava-Jato com o intuito de incriminar Lula e o PT bem ao gosto da imprensa venal golpista, o sensacionalismo sem provas, sem nada. Apenas acusações que repetidas mil vezes transformaram-se em “verdade” bem ao gosto do golpe de Estado no Brasil.

Diálogos reproduzidos entre os membros da quadrilha lava-Jato atestam que o “chefe” da máfia, o então juiz Sérgio Moro,tratado com o codinome de Russo, considerava como “fraca” as denúncias do delator Palocci: “Russo comentou que embora seja difícil provar ele é o único que quebrou a omerta petista”, declarou o procurador Paulo Roberto Falcão, sobre as acusações que estavam em ponto de bala para serem divulgadas pela Globo e seus asseclas. “Omertá” no vocabulário dos “aprendizes de feiticeiros” brasileiros é uma analogia ao código de honra estabelecido no sul da Itália de não delação, entre os acusados de fazerem parte da Máfia.

No caso brasileiro, a Máfia está de ponta cabeça, está nas instituições do Estado e foi o elemento central do golpe. Não foi à toa que o “Mussolini de Maringá” não teve pejo em divulgar o depoimento forjado às vésperas das eleições presidenciais.

Caso as consequências não fossem tão graves, o depoimento de Palocci e a atitude dos mafiosos da lava-jato poderiam muito bem passar por uma comédia pastelão. Um diálogo entre os procuradores Laura Tessler e Antônio Carlos Welter expressam  muito bem, que a única coisa que importava era produzir alguma mentira contra Lula e o PT: “Não só é difícil provar, como é impossível extrair algo da delação dele”, escreveu a procuradora Laura Tessler. “O melhor é que [Palocci] fala até daquilo que ele acha que pode ser que talvez seja”, declarou Antônio Carlos Welter.

Para a quadrilha da Lava-Jato, Palocci foi um trunfo. Foi a besta-fera petista que forjou denúncias contra seu Partido e o seu principal dirigente em troca de um saco de moedas. Construiu uma história mirabolante, sem provas, sem nada para incriminar seus parceiros.

A denúncia de Palocci tinha o objetivo de garantir a vitória da extrema-ditreita no primeiro turno. A sua divulgação seis dias antes das eleições fazia parte do pacote Moro superministro, o mafioso que procura alçar os escalões mais altos do executivo e ser o executor de uma próxima etapa do golpe de Estado no país.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas