Privatização
Industria nacional seria capaz de suprir todo o oxigênio necessário e Manaus, e de boa parte do Brasil. Salvando assim a vida de milhares de brasileiros.

Por: Redação do Diário Causa Operária

A Fábrica da Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (FAFEN-PR) localizada na cidade de Araucária na região metropolitana da capital paranaense, foi fechada há cerca de um ano, em março de 2020, pelo capacho do imperialismo, o presidente golpista Jair Bolsonaro. Hoje, mais do que nunca, se mostra a necessidade de mobilizar os trabalhadores pela reabertura da unidade.

Um grupo de deputados estaduais do Paraná protocolou na ultima quarta-feira (10), um pedido na Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP) para que sejam retomadas as atividades da FAFEN, pertencente à Petrobras.

Além do impacto para os trabalhadores, sejam eles diretos ou indiretos (cerca de 400 empregos diretos e 600 indiretos) a reabertura da unidade representaria um importante instrumento no combate a pandemia de COVID-19, que já matou mais de 275 mil brasileiros, alguns deles, como no caso de Manaus, e que agora começam a se tornar uma rotina em todo o Brasil, morrendo asfixiados por falta de oxigênio.

A FAFEN-PR tem capacidade para produzir 30 mil metros cúbicos de oxigênio por hora, o que daria para encher 30 mil cilindros hospitalares de pequeno porte, com capacidade média de 20 inalações de 10 minutos cada. Ou seja, se o governo brasileiro tivesse o mínimo de interesse no combate a pandemia no Brasil, bastaria reativar a FAFEN-PR que parte do problema, ao menos no que tange a falta de oxigênio estariam resolvidos.

Atualmente a fábrica está totalmente paralisada, apenas com poucos trabalhadores da segurança e da manutenção. Para termos ideia do crime cometido pela direita nacional ao entregar a FAFEN-PR ao imperialismo, se a fábrica estivesse em operação, com dois turnos diários de seis horas, poderia fornecer ao país 360 mil metros cúbicos de oxigênio por dia. Atualmente, o consumo diário de oxigênio só no Amazonas é de 76 mil m³.

O Partido dos Trabalhadores protocolou uma manifestação no Supremo Tribunal Federal (STF) em 20 de janeiro deste ano, pedindo a reabertura da unidade e que a Presidência da República tomasse todas as providências para garantir o abastecimento de oxigênio aos hospitais de todo o país.

O Governo criminoso de Jair Bolsonaro, além de ignorar  a capacidade e a importância da fábrica neste momento, em detrimento dos lucros de um punhado de capitalistas, coloca milhares de trabalhadores no olho da rua ao encerrar as atividades da unidade, deixando cerca de mil famílias desamparadas em um momento de aprofundamento da crise social e econômica.

Cabe lembrar que naquele momento a categoria organizou uma greve nacional que durou 21 dias. Até mesmo as famílias de trabalhadores se mobilizaram, participando das manifestações diárias, realizadas pelos funcionários da fábrica.

É importante destacar que embora tenha sua validade as iniciativas de cunho institucional seja na Assembleia Legislativa do Paraná ou no Supremo tribunal Federal, as instituição que apoiaram o golpe contra a ex-presidenta Dilma Rousseff o fizeram justamente a mando do imperialismo com o intuito de expropriar as riquezas nacionais, neste sentido embora seja uma via que possamos utilizar não dever ser a única, e tão pouco a principal. É necessário que as organizações do trabalhadores com a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Federação Única dos Petroleiros (FUP) mobilizem a categoria pela reabertura da unidade, para salvar a vida de milhares de brasileiros.

Send this to a friend