Mobilizar os Comitês de Luta Contra o Golpe para um 1º de Maio combativo

ato_2

Esse primeiro de maio é uma oportunidade de desenvolver a luta contra o golpe através da mobilização dos comitês de luta contra o golpe a fim de promover atos combativos em todo o Brasil. Diferente da política capituladora e pelega que vem se mostrando presente no teor de algumas chamadas da esquerda, o dia do trabalhador deve ser de luta real que aproveite o alto grau de polarização política do país canalizando a crescente insatisfação popular contra o governo para a luta nas ruas por Fora Bolsonaro e Liberdade para Lula.

Nesse sentido, as lutas parciais contra a Reforma da Previdência, por exemplo, devem ser entendidas como o desmembramento da linha política de conjunto das instituições golpistas. Instituições essas, cujo teor fascistoide ganha cada vez mais força conforme a crise interna a corrói e exige medidas mais radicais pela sua estabilidade dada a pressão implacável do imperialismo por uma política de terra arrasada em solo brasileiro. A estratégia de lutar através de projetos de lei e lobbies, portanto, deve ser combatida pelo fortalecimento da luta independente das instituições desenvolvida com a organização popular e a mobilização nas ruas.

 A exemplo da condenação de Lula em terceira instância nessa terça-feira (24) com base em acusações absurdas, a arbitrariedade do governo se fortalece justificando o assassinato “por engano” a oitenta tiros contra o catador de lixo carioca. Da mesma forma, a destruição dos tapetes de protesto contra a morte de Mariellen Franco em Ouro Preto nesse domingo (21) foi assumido como legítimo pelo Comando da Guarda Civil Municipal, para a qual “liberdade de expressão tem limite”. E, em Minas Gerais, a impunidade pelo massacre de Brumadinho deixa patente por um lado a posição do governo em garantir os interesses dos grandes capitalistas e, por outro, a nulidade política das propostas de luta institucionais, como o caso da CPI das barragens responsável por neutralizar a ampla mobilização popular que vinha se desenvolvendo no início do ano.

A série de exemplos tanto em âmbito local, quanto nacional, provam a tese de que as instituições estão corroídas pela política golpista e que a única forma de vencer a luta contra a forte ofensiva contra os trabalhadores é a ampla mobilização popular que tire Lula da cadeia e derrube o governo ilegítimo de Bolsonaro. Só assim é possível obter ganhos reais para toda a classe trabalhadora. Por isso, é preciso mobilizar os comitês de luta contra o golpe por Fora Bolsonaro e Liberdade para Lula nesse primeiro de maio por todo o país.